sábado, 25 de março de 2017

Putin: o 28.º Estado-Membro da UE

A tentação imperial de Putin não é nova. Porém, vem encontrando no actual momento político-económico e social o mais favorável “caldo” para se desenvolver. A História ensina-nos que o equilíbrio de poderes do pós-Guerra Fria só na aparência foi resolvido a favor dos EUA, dado que o gigante apenas adormeceu estrategicamente. Passada a fase da Comunidade de Estados Independentes, reconfigurada a Federação Russa, eleito um ex-operacional do KGB para o Kremlin, sabia-se que o espaço de influência continuaria.
Confrontada com maus desenvolvimentos económicos, limitando a sua capacidade de manutenção e renovação militar, o regime de verdadeiro “czariato” de Putin fez alianças com a China e foi namoriscando os EUA, que foram no logro de que o desequilíbrio económico seria suficiente para manter a política externa moscovita dentro de aceitáveis margens de controlo.
Puro engano. Não apenas o Presidente russo, mas boa parte da população, por entre os frangalhos de uma ex-URSS todo-poderosa e um desejo de afirmação e expansão de império, co-natural àquele povo, depois de ameaçarem a UE e a OTAN em virtude do despautério do alargamento a Leste, anexaram a Crimeia. Um primeiro grande teste de resistência a que Putin quis submeter a dita “comunidade internacional” e no qual passou com louvor e distinção. O controlo sobre uma boa parte do gás que abastece a Europa central, em especial a Alemanha, a ainda existente ameaça militar e uma personalidade que contrasta com um apagamento das lideranças do Velho Continente, conduziram a reacções pífias e inconsequentes.
E assim foi nascendo um novo “movimento dos não-alinhados”, com Putin e Erdogan, a que se vai aliando, pontualmente, o pragmatismo da política externa chinesa, mais apostada no poderio económico, bem visível no montante dos créditos que detém quanto à dívida pública norte-americana. Com a habitual subtileza da China, após a governação por tweets de Trump, bastou uma pequena lembrança deste facto para que o inefável homem que marca a moda da altura das gravatas se virasse mais para os bad hombres e para as investigações do FBI que o podem chamuscar.
O dito “movimento dos não-alinhados” não tem uma verdadeira massa unificadora que não seja a vontade de afrontar o Ocidente e o que ele ainda representa. Entendamo-nos: por certo é de todo respeitável que a Rússia deseje aumentar a sua influência no mundo a todos os níveis. Os outros fazem o mesmo e não é por serem russos que uma política expansionista passa necessariamente a ser má. Esta junção de pequenos e grandes ódios, de interesses económicos estratégicos, de demonstração ao mundo globalizado que se pode viver como uma espécie de “ilha”, levam a um reforço do dito “movimento anti-globalização”. Putin deseja ficar para a História como o hábil político que dilatou o império, de preferência sem disparar uma bala, bastando-se com as malas diplomáticas. O eixo turco-russo está, assim, interessado em explorar uma Europa em devaneios populistas, fragmentada pela crise dos migrantes, com exigências de indicadores económicos quase sempre irreais e que perdeu uma ponte com os EUA através do Brexit. E isto mesmo que o Reino Unido fique a perder mais que o conjunto dos demais países da UE, o que ficou claro com os atentados em Westminster.
Daí que a recepção a Marine Le Pen como se de uma estadista se tratasse, bem como de outros líderes populistas e xenófobos, seja uma evidente forma de legitimar o que está em contradição com o núcleo duro dos valores europeus. Resta é saber se Le Pen não terá arriscado em demasia. Sabemos que as mais recentes sondagens apontam para a sua vitória nas presidenciais francesas, como não desconhecemos a operação de cosmética que ela e o seu partido têm feito no sentido de adocicar o discurso. Donde, a colagem a Putin e a legitimação através dele podem bem jogar contra os interesses eleitorais de Marine. É certo que se escreveu já que o financiamento da sua campanha está difícil e que existiria um empréstimo de um banco russo que estaria a pressionar a respectiva liquidação. Ora, pode especular-se quanto à mão estendida de Putin…
Mas não seria o custo político desse empréstimo demasiado elevado? Gostaria bem que sim, pois o respirar de alívio com a Holanda é sol de pouca dura. Mais eleições se avizinham por essa Europa fora e comprovado está que Putin vai sempre ser um player importante. Arrisco-me a dizer que a Federação Russa quase pretende substituir o papel de enfant terrible do Reino Unido. Continuaríamos, então, a ser 28 Estados. Apesar de este, descontado o equívoco geográfico, porventura não cumprir com a Carta dos Direitos Fundamentais da União. Mas, all in all, poderá a UE, no actual momento, dar-se ao “luxo” de ser uma comunidade de valores?

sexta-feira, 24 de março de 2017

Mais um défice

O Papa aprovou a canonização dos pastorinhos videntes Francisco e Jacinta Marto. E vem aí mais uma santa portuguesa: o processo de canonização da irmã Lúcia também parece estar bem encaminhado. De qualquer maneira, em nove séculos de história, Portugal produziu, salvo erro, 10 santos. O que dá mais ou menos um por século. Estamos seguramente abaixo da média comunitária. Enfim, mais um défice que nos persegue há séculos. Donde vem este défice de santidade? Não sei se Deus nos abandonou e deixou ao deus dará. Não sei se os copos e as mulheres são a nossa perdição, como aventou esta semana um socialista holandês. O facto é que não é fácil ser santo neste país.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Os idiotas da objectividade

Quando há ataques terroristas, costuma aparecer alguém a lembrar que morrem muito mais pessoas em acidentes de viação. São “os idiotas da objetividade”, como lhes chamava o Nelson Rodrigues. Imaginem que é dito aos residentes de uma cidade que há dois bombistas prontos a atacar. E é dito aos de outra cidade que há apenas um bombista. O seu risco é inferior em metade, mas acham que alguém se vai sentir mais seguro por cauda disso?

quarta-feira, 22 de março de 2017

Perspetiva

Foto de Luis Gaspar.

Há quem lhe chame fleuma britânica, mas eu chamo-lhe perspetiva. Quando cheguei a casa, e enquanto metia o frango e os noodles no wok, a BBC1 passava um documentário sobre a resistência dos aviões modernos aos embates com pássaros, e o channel 5 estava a dar um programa sobre polícias em bairros manhosos. O channel 4 era o único, dos generalistas, a falar do ataque de umas horas antes. 

Em 2015, houve 118 assassinatos em Londres, e mais de 10 mil violações. Tenho a certeza que, se for ao Google, encontro atentados em África esta semana que mataram mais pessoas. Quero com isto dizer que o incidente de hoje é uma coisa sem importância? Não, é claro que não quero dizer nada disso. Isto mexe comigo, a nível pessoal e emocional. Vivo nesta cidade, apanho transportes públicos, ando nos mesmos sítios - a foto ali em cima é na ponte de Westminster, num dia de primavera, há uns anos. Mas é preciso ver as coisas em perspetiva, sempre. O terror - como o interpretamos e como reagimos a ele - também é, em grande medida, um problema de perspetiva. 

A solução para tudo

Era um Dijsselbloem job, não era?

Esopo

Esopo foi um fabuloso fabulista grego, que disse coisas como:
  • Um pedaço de pão comido em paz é melhor do que um banquete comido com ansiedade.
  • Exibição exterior é um pobre substituto para o valor interior.
  • Até mesmo os poderosos podem precisar dos fracos.
  • A gratidão é a virtude das almas nobres.
  • Quem trama desventuras para os outros estende armadilhas a si mesmo.
  • Nunca confies no conselho de um homem em apuros.
  • De nada vale possuir uma coisa sem desfrutá-la.
  • Não se podem censurar os jovens preguiçosos, quando a responsável por eles serem assim é a educação dos seus pais.
  • O hábito torna suportáveis até as coisas assustadoras.
  • Depois de tudo o que é dito e feito, mais é dito do que feito.
(Ver mais no Citador)

Ah, e viram que Esopo era grego? Nada mau, vindo de um grego...

Educação infantil


Fonte: Fábulas de Esopo, Biblioteca do Congresso

Jeroen Dijsselbloem, o frustrado

"Na crise do euro, os países do norte da UE mostraram-se solidários com os países em crise. Enquanto social-democrata, considero a solidariedade extremamente importante. Mas quem a exige, também tem deveres. Não posso gastar todo o meu dinheiro em aguardente e mulheres e a seguir ir pedir-lhe apoio".

Jeroen Dijsselbloem, traduzido por Helena Ferro de Gouveia, publicado no mural do LA-C

Não percebo por que razão os portugueses enfiaram a carapuça de gastarem o dinheiro em mulheres e aguardente. É que o Jeroen apenas disse que era um moço que precisava de pedir apoio, mas tinha vergonha de o pedir se antes tivesse gastado dinheiro em mulheres e aguardente. É óbvio que não se referia aos portugueses; se se referisse, não mencionaria aguardente, mas sim vinho.

Tu também, Bruto?

O Benfica queixa-se da justiça desportiva. A Federação Portuguesa de Futebol abre-lhe um processo disciplinar. Por ingratidão, presume-se.

terça-feira, 21 de março de 2017

Kiss me, I'm Irish!

Para celebrar o St. Patrick's Day, fizemos um jantar em minha casa, no Domingo. Aproveitei a ocasião para usar os meus pratos feitos em Portugal: pensei que os pratos da Olfaire, verdes a imitar folhas de couve, fossem adequados e gostei bastante de os ver sobre os pratos de jantar da Mikasa, colecção Firenze (são os que têm os floreado pintado à mão a azul). A colecção Firenze foi feita pela SPAL e é o serviço de jantar que recebi quando me casei.

A toalha de mesa foi comprada na minha última visita a Portugal, em Guimarães, na Chafarica, e foi uma enorme sorte encontrá-la, pois mesas quadradas do tamanho da minha são um bocado invulgares e nunca encontro muitas opções em toalhas de jantar. Tenho uma ou duas da April Cornell, redondas, mas não gosto muito da forma como as costuras da barra ficam nos cantos da mesa e as cores não davam com o motivo do nosso jantar. A toalha da Chafarica, que tem tons neutros, foi o fundo ideal para a louça.

Intersecção: procrastinando

 Adio,delongo, difiro, posponho, prorrogo, protelo, protraio, retardo, postergo, demoro, atraso.

Símbolos filosóficos

Simone de Beauvoir 


segunda-feira, 20 de março de 2017

O Executivo que não executa

Nos EUA, há uma clara distinção entre o poder legislativo (Parlamento) e o poder executivo (Presidente) e são eleitos separadamente (cf. com o caso português em que o poder executivo é formado como resultado das eleições para o Parlamento). Durante a Presidência de George W. Bush e devido à ameaça de terrorismo, o Congresso americano concedeu mais poderes ao Presidente através do Patriot's Act, relativamente a questões de segurança. O Presidente pode agora enviar tropas para conflitos internacionais sem pedir autorização ao poder legislativo. Obama conseguiu, assim, aumentar o uso de ataques através do uso de drones, "assassinar" terroristas-alvo como Osama Bin Laden ou Anwar al-Awlaki (este último um cidadão americano), etc.

Foram estes poderes que permitiram a Trump emitir a ordem executiva que ficou conhecida como o "Muslim Ban", sem informar o Congresso, suscitando mais uma vez a questão de o Presidente ter demasiados poderes e não respeitar o poder legislativo, nem o judicial. Trump não tem problemas em exigir que os outros dois poderes sirvam o executivo: quando Trump acusou Obama de ter colocado escutas na Trump Tower, a acusação foi seguida por um pedido da Casa Branca para que o Congresso investigasse as escutas, o que levou Michael Hayden, antigo director da CIA, a afirmar que Trump se esqueceu que era Presidente, pois como Presidente tinha à sua disposição poderes que lhe permitiam saber o que Obama tinha mandado investigar.

Hoje, James Comey, director do FBI, negou que a Trump Tower tivesse sido alvo de escutas, mas Trump já emitiu tweets a dizer que a grande história que o Congresso e o FBI deviam estar a investigar é a fuga de informação confidencial, como as revelações dos encontros entre representantes de Trump com oficiais russos: a fuga é que é o crime, os encontros em si são "fake news", apesar de terem ocorrido.

A máquina diplomática americana está fragmentada, talvez prestes a ser desmantelada. O orçamento do Secretary of State, Rex Tillerson, vai sofrer um corte de 29%; quando Tillerson vai em visitas de estado não vai acompanhado pelos sub-secretários pois ainda não foram nomeados, nem se sabe se serão. Na visita ao Japão, Tillerson não visitou a embaixada americana em Tóquio, o que afecta a moral dos diplomatas americanos.

Tillerson também não foi acompanhado por uma entourage normal dos media americanos; em vez disso, levou apenas apenas uma jornalista, Erin McPike, do Independent Journal Review, uma website conservadora, que se especializa em notícias de cariz "viral" fundada em 2012. Teme-se que enquadramento da visita aos países asiáticos seja dado por órgãos de comunicação social estrangeiros -- o ponto de vista americano fica omitido das notícias, o que pode não ser do interesse dos EUA, especialmente em visitas a países como a China.

Também na área da Justiça, nota-se que há muita pressa em desfazer: o Attorney General Jeff Sessions, há semana e meia, convidou 46 District Attorneys que foram nomeados por Obama a demitir-se (tanto Bush como Obama optaram por uma estratégia de transição, em que os DAs se demitem lentamente; Clinton seguiu uma estratégia semelhante à de Trump), não se sabendo quando haverá nomeação de substitutos.

Trump, que muitas pessoas viam como uma pessoa dinâmica porque vinha do mundo de negócios, está a efectuar uma transição de governo extremamente lenta, que parcialmente é explicada pelo próprio, que admite que não compreende o que estas pessoas fazem, logo não as quer nomear se não sabe o que fazem; no entanto, o que o Presidente "não sabe" está a ganhar importância.

No programa de rádio "Think", Kris Boyd perguntou a P.J. O'Rourke, jornalista e autor de "How the Hell Did This Happen? The Election of 2016" se os candidatos a Presidente não deviam passar um exame de conhecimento básico de educação cívica e do funcionamento da Democracia americana. O'Rourke responde que seria desejável, pois a seu ver Trump nem sequer sabe o processo de criação de uma lei. O'Rourke equiparou a eleição de Trump a contratar para capitão de um navio uma pessoa que não saiba a diferença entre estibordo e bombordo.

Cada vez mais se nota que os EUA estão a navegar ao sabor do vento, sem instrumentos. Se os ventos forem amenos, tudo correrá bem; mas não há ventos amenos que durem para sempre.





A aversão à perda e não só

Para o comum dos mortais, racionalidade é quase equivalente a sensatez. Uma pessoa racional é ponderada, é possível discutir com ela, as suas preferências são coerentes com os seus interesses e valores. Para os economistas, racionalidade não é bem isto. A racionalidade é uma coerência lógica, sensata ou não. Nesta visão, desde que seja consistente com todas as suas outras crenças, um indivíduo é racional mesmo que acredite no Pai Natal, em fantasmas ou no super-homem.
Daniel Kahneman, junto com Amos Tversky, lançaram nos anos 70 as bases da economia comportamental. Entretanto, milhentos estudos mostraram que os humanos do mundo real não se comportam muitas vezes como os "econs" que habitam no planeta da teoria. Tal não significa que os humanos sejam irracionais, dominados sobretudo pela impulsividade, a emocionalidade e impermeáveis a argumentos sensatos. Nada disso. Significa que os humanos não conseguem, frequentemente, alcançar a consistência, a coerência lógica que está subjacente à racionalidade dos modelos económicos. Os humanos (incluindo os especialistas) deixam-se muitas vezes enganar ou iludir por impulsos e intuições - apesar de estas serem bastante úteis e certeiras em milhentas decisões rotineiras. Aliás, nos meus últimos posts foram mencionados alguns desses enviesamentos – o efeito de enquadramento é apenas um exemplo.
Kahneman e os economistas comportamentais afastam-se da fé na racionalidade humana da maioria dos economistas, em particular dos da Escola de Chicago e do seu chefe de fila, Milton Friedman. Friedman no seu Free to choose (Liberdade para escolher, na edição portuguesa) chega a considerar imoral proteger as pessoas contra as suas escolhas. Cada um sabe melhor do que ninguém o que é melhor para si. Ao contrário, os comportamentalistas acham que as pessoas cometem erros. Os humanos não são irracionais, mas precisam amiúde de ajuda para fazerem juízos mais exactos e tomarem melhores decisões. As instituições e a política podem desempenhar esse papel auxiliar. Numa palavra, a liberdade de escolha tem um preço. A questão é como é que as instituições podem proteger as pessoas sem, ao mesmo tempo, colocarem a liberdade em causa.

domingo, 19 de março de 2017

Enquadramento

A taxa de sobrevivência (de uma cirurgia) após um mês é de 90%.
Há uma mortalidade de 10% no primeiro mês.

As duas expressões têm o mesmo significado? Depende do que entendermos por significado. Em termos de raciocínio lógico, as duas descrições do resultado da cirurgia designam o mesmo estado do mundo. Se uma destas proposições for verdadeira, então a outra também o é, como concluiria qualquer ser racional, agarrado apenas à realidade. Mas há aqui outra acepção de significado. A sobrevivência é boa, a mortalidade é má; 90% de sobrevivência é encorajador, 10% de mortalidade é assustador. Grande parte das pessoas não é indiferente às emoções evocadas pelas palavras e as suas preferências são mais determinadas pela forma como a informação é enquadrada do que pela realidade. Os psicólogos chamam-lhe efeito de enquadramento, um efeito que, por exemplo, os políticos, jornalistas e vendedores conhecem muito bem. 

PS: Exemplo retirado de “Pensar, depressa e devagar de Daniel Kahneman.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Más notícias

Por uma questão de sobrevivência, nós (e o resto dos animais) privilegiamos as ameaças em relação às oportunidades. O negativo suplanta o positivo. A sensibilidade à ameaça funciona também no campo simbólico. Palavras carregadas emocionalmente e palavras “más" (guerra, crime, crise, sangue, violação) atraem a atenção mais depressa do que as palavras felizes (paz, generosidade, altruísmo, amor). Por isso, as más notícias vendem mais do que as boas, como sabe qualquer jornalista experimentado. 

Hygge

Lê-se "hoo-ga": aspira-se o h, como no inglês, parece-me. Ando a investigar as teorias da felicidade dos dinamarqueses e aprendi que os fulanos gostam muito de coisas acolhedoras, fazem muitas actividades com os amigos, perguntam-lhes se querem ir lá para casa para um evento "aconchegante" ou se querem ir "aconchegar". É natural que "aconchego" não seja a tradução literal de hygge porque os dinamarqueses são muito monopolistas da coisa. O Meik, que escreveu o livro que estou a ler, diz que os dinamarqueses são os únicos que usam hygge como verbo, mas acho que nós portugueses também falamos em aconchegar, mas não somos obcecados, nem convidamos a aconchegar.

quarta-feira, 15 de março de 2017

É aqui que me inscrevo?

Hoje gostaria de me inscrever para ser especialista na Holanda. Em primeiro lugar, não se chama Holanda, chama-se Países Baixos, pois Holanda refere-se a apenas duas das províncias do país: Noord-Holland e Zuid-Holland.

O papel indeterminado dos especialistas

Há uma grande expectativa sobre as eleições holandesas de hoje. Geert Wilders do partido da liberdade (PVV) tem aparecido à frente de várias sondagens, apesar de as suas possibilidades de formar governo serem quase nulas - todos os outros partidos recusam coligar-se com ele. Como é sabido, Wilders centrou grande parte do seu discurso contra o islão e os perigos da islamização da sociedade holandesa. Alguns especialistas têm vindo à praça pública a tentar demonstrar os exageros e as distorções no discurso do candidato da extrema-direita. A Holanda tem 17 milhões de pessoas e estima-se que 11,5% tenham nascido no estrangeiro. Segundo algumas fontes oficiais, em 2015, dos 56 400 estrangeiros que foram viver para a Holanda, 20 800 vieram da Síria – sendo que a maioria veio da Polónia, 22 200. De qualquer maneira, estes números não chegam para tranquilizar muitos holandeses, incluindo alguns imigrantes, como o escritor José Rentes de Carvalho, que declarou o seu apoio a Wilders. Mais: este discurso acabou por contaminar os outros partidos, como o do actual primeiro-ministro Mark Rutte. Em suma, o sucesso de Wilders não se resume à votação do seu partido. O homem, bem ou mal, conseguiu marcar a agenda mediática.
Serve-me esta introdução para uma breve digressão sobre o papel dos especialistas. Podem ou não ajudar-nos a centrar o discurso político nos problemas e perigos realmente importantes para a sociedade? Na verdade, continuamos longe de um consenso sobre esta questão.

Fortuna

Sucesso = talento + sorte
Grande sucesso = um pouco mais de talento + uma grande quantidade de sorte

Daniel Kahneman (um psicólogo, prémio nobel da economia em 2002) chegou a estas fórmulas depois de uma carrada de estudos. A maioria das pessoas resiste a aceitar esta formulação, sobretudo as que tiveram mais sucesso. E, no entanto, houve um tempo em que era evidente para os homens o papel determinante da sorte, chamavam-lhe então fortuna, uma deusa romana que distribuía de um modo caprichoso e injusto as vantagens meramente acidentais do mundo.

terça-feira, 14 de março de 2017

Casados com o Trump

'Taxpayers in counties that backed Trump would see an annual windfall of about $6.6 billion, a Bloomberg analysis of Internal Revenue Service data shows. In counties that backed Clinton, it’d be about $21.9 billion.

[...]

Trump voters in Rust Belt states expressed some frustration about the potential cuts for the wealthy, even as they remain supportive of the president.

“It pisses me off, but my wife pisses me off, too, and we’re still married,” said Dan Peuschold, 62, as he shared a $13 pitcher of beer with friends Saturday afternoon at the Hiawatha Bar & Grill in the Wisconsin village of Sturtevant.'


Fonte: Bloomberg

Talvez o ser pobre e o escolher políticos que os prejudicam não sejam frutos do acaso...

Qual deles é o mais idiota?

Os atentados à liberdade de expressão prosseguem por esse ocidente fora. A moda de boicotar certas vozes reacionárias começou nas universidades americanas, alastrou ao Reino Unido e, como seria de esperar, chegou a Portugal. O facto de isto se passar em universidades, tradicionais bastiões do livre pensamento e da liberdade de expressão, diz muito sobre o que se está a passar.  Hoje, por exemplo, nalgumas universidades americanas, não se pode utilizar termos como “violação” ou “sangue” em disciplinas de direito criminal porque isso, supostamente, provoca “stress pós-traumático” a alguns estudantes mais sensíveis. Escusado será dizer que esta idiotia acabará por se instalar também por cá.  É uma questão de tempo.
Vejamos um exemplo recente. O presidente do Parlamento Europeu,  Antonio Tajani, decidiu “punir exemplarmente” um tal de Janusz Korwin-Mikke, eurodeputado desde 2014, que há dias disse que as mulheres “devem ganhar menos” do que os homens porque são “mais fracas, mais pequenas e menos inteligentes”. Neste caso, a melhor reacção seria das três, uma: ou ignorar este idiota polaco, como fazemos quando ouvimos um maluquinho ou um bêbado a dizer enormidades; ou, para quem tiver mais paciência, demonstrar que o homem está errado; ou, pura e simplesmente, responder curto e grosso. É assim que agem as pessoas adultas e é assim que deveríamos ensinar os mais novos a defenderem-se. Mas não. Em vez disso, os novos paladinos da tolerância preferem combater o machismo, racismo, xenofobia, negacionismo, homofobia - e mais não sei quantas pragas - tentando silenciar ou punir severamente os “reaccionários”. Definitivamente, não percebem, ou não querem perceber, que os preconceitos não se combatem com menos palavras e argumentos, mas sim com mais. Em nome dos mais altos princípios e valores, cerceiam a liberdade de expressão. Tarde ou cedo, quando menos esperarem, vira-se o feitiço contra o feiticeiro e serão eles próprios acusados e punidos por ofender alguém e o que não faltam são pretextos para alguém se considerar ofendido. Na verdade, nem sei quem é o mais idiota nesta história: se o machista polaco, se o presidente do parlamento europeu que deu mais uns minutos de fama ao primeiro.

Hey, Stella

Não, não vos vou falar da Stellinha, a minha pug que, alguns meses depois de eu a recolher do abrigo, em estado meio-catatónico, decidiu morder um dedo de uma senhora do abrigo porque pensava que era um biscoito, durante um evento de confraternização de pugs. Ouviu-se um grande "Ouch!" e eu fiquei tão, mas tão orgulhosa da Stellinha porque, quando a recolhi, disseram-me que ela ficaria catatónica para sempre. Se houver maneira de recuperar um cão, eu descubro...

Então, a Nova Inglaterra, Nova Iorque, Nova Jérsia, e Delaware, numa zona que afecta cerca de 18 milhões de pessoas, está em estado de alerta por causa de uma tempestade, que foi baptizada de Stella pelo The Weather Channel porque lhes apeteceu. Stella é um nome excelente porque muitas pessoas quando o ouvem recordam-se de "A Streetcar Named Desire" e de Marlon Brando em estado de desespero a chamar a Stella: "Hey, Stella..."

segunda-feira, 13 de março de 2017

Um desabafo

A acreditar nas sondagens, grande parte do país está rendido aos feitos históricos da geringonça – é curiosa a forma como se invocam por dá cá aquela palha as palavras “história” e “histórico” nos dias que correm, mas adiante. Pelos vistos, os mercados e a própria União Europeia resistem e, vá-se lá saber porquê, até parecem duvidar da narrativa de sucesso que o governo lhes apresenta. Infelizmente, neste caso, a geringonça não pode demitir ou ameaçar de demissão esta gente tão céptica. Resta ao ministro das finanças fazer desabafos na imprensa internacional e queixar-se da injustiça de que estamos a ser alvo, nomeadamente ao sermos vergastados com taxas de juro cada vez mais difíceis de suportar e, ainda por cima, muito maiores do que as dos nossos parceiros.

Uma verdade antiga

Uma mentira repetida muitas vezes transforma-se numa verdade, diziam os nazis. Na verdade, há muito que os regimes autoritários e os vendedores conhecem este facto. Mas, como explica Daniel Kahneman no seu “Pensar, depressa e devagar”, foram os psicólogos que descobriram que não é sequer necessário repetir a afirmação inteira acerca de um facto ou ideia para fazer com que pareça verdadeiro. As pessoas confundem facilmente familiaridade com verdade. E a repetição cria familiaridade. A pós-verdade e os “factos alternativos” não nasceram ontem como alguns parecem acreditar; nasceram com os aldrabões e manipuladores profissionais e, portanto, já têm uma história longa.

O impensável acontece

A história e vários estudos mostram que as acções de protecção, dos indivíduos e dos Estados, são sempre pensadas para o pior desastre até então experimentado. Contudo, com o tempo as recordações do desastre desvanecem-se e os indivíduos e as sociedades tendem a baixar a guarda. Mais: se as águas do rio sobem e provocam inundações, é a linha de água da última inundação que os indivíduos têm em mente. Regra geral, não lhes passa pela cabeça que o próximo desastre possa ser ainda pior. E, no entanto, com uma regularidade surpreendente, as inundações conseguem subir mais do que a marca existente. O impensável acontece.

domingo, 12 de março de 2017

Estamos tramados!

No Instagram, a Pottery Barn tem um post de publicidade com um guarda-fatos minimalista. Eu sou fã da Jill Sander, mas a Pottery Barn é conhecida por um estilo mais caseirinho, com muitas cestas de arrumação, decoração sazonal, mobília de madeira, vime, etc., deixando o minimalismo para a West Elm, a marca irmã. Se a Pottery Barn não está a conseguir encher as casas de tralha, como é normal, e tem de "rejuvenescer" a marca, então é sinal de que estamos tramados...


Imparidades argumentativas

Segundo o ECO, as perdas da CGD devem-se a imparidades, sendo que a maior parte das perdas cabe a 2016, pois foi nesse ano que as perdas foram assumidas. Neste momento não se sabe se os resultados negativos da CGD serão contabilizados no défice ou não; mas diz-nos o nosso ilustre Primeiro Ministro que os critérios "são relativamente móveis", logo pode ser que não conte para o défice, como ele assegurava no ano passado, ou pode ser que conte, como se especula agora.

Nem há um mês, andava tudo a deitar foguetes com os resultados excelentes do défice de 2016 e agora estão a dizer que, se calhar, o resultado vai ser revisto para pior. Como é que o Primeiro Ministro e o Ministro das Finanças não sabiam disto antes, quando andavam a celebrar o défice e a defender a solidez das contas? Não vejo como podiam não saber e, nesse caso, tenho de concluir que decidiram ignorar o problema da CGD e tratar os cidadãos como idiotas fazendo passar resultados temporários por permanentes.

Ou, dizeis-me vós, ambos são pessoas sérias e não tinham conhecimento das imparidades da CGD, logo não enganaram os cidadãos intencionalmente. Bem, se não sabiam, então são pessoas muito incompetentes, logo como é que isso é um cenário melhor?

sexta-feira, 10 de março de 2017

Nariz empinado

Se me encontrarem na rua, enquanto passeio com o Choppinho, é natural que me apanhem de nariz empinado. Ando sempre a olhar para cima, para as frondes das árvores, a admirar a sua natureza escultural. Mesmo à noite, não consigo deixar de não sentir uma enorme fascinação ao ver a clareza do céu nublado, que reflecte as luzes da cidade. Noites e dias são passados assim, especialmente na Primavera.



À noite, na vizinhança


Uma das minhas árvores preferidas


As copas das árvores por cima da casa dos meus vizinhos


As árvores nas traseiras de minha casa

Precisamos de umas gajas!

A CGD, na Sexta-feita, irá anunciar que perdeu, em 2016, a módica quantia de €1.900 milhões de euros. Coisa pouca, só cabe €185 a cada uma das almas que reside em Portugal. Se o deputado do PAN conseguir que o Parlamento dê estatuto de cidadão a cães, gatos, e lagartos, este rácio resolve-se facilmente. Enquanto isso não acontece, precisamos de umas gajas.

Porquê gajas? Porque, obviamente, os gajos portugueses que trabalham na banca são incompetentes e, na Tailândia, finanças é com gajas e elas têm CVs impressionantes! Já em Portugal, os gajos caracterizam-se pelas suas línguas porcas -- mas não é dos piropos; é de lamber botas.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Incontinência

No caso das off-shores, primeiro, o dinheiro tinha sido transferido entre 2010 e 2014. Depois foi um erro informático devido a um software qualquer que já não era usado, mas era esse o intervalo temporal. Ontem, dizia o DN que, afinal, as transacções problemáticas deram-se em 2015 e 2016. É natural que haja mais versões que me escaparam, mas, daqui a dois dias, sabe Deus que nova versão nos será servida.

Fico com a impressão de que há uma certa "incontinência" de quem governa o burgo. Em vez de alguém responsável descobrir o que se passou e ter uma versão final da coisa para prestar contas ao público e nós sentirmos que o governo do país é uma coisa que é levada a sério e a verdade importa, quanto mais não seja para não se cometerem os mesmos erros no futuro, andam aos pinguinhos a mandar notícias cá para fora. Quem nos garante que quando o governo diz alguma coisa, esta não será mudada daí a dois dias?

Pergunto-me se este relaxamento também se reflecte nas necessidades fisiológicas dos governantes: usam fralda porque são incontinentes, não é?

You Got It Wrong!

Ontem, o meu colega Stephan fez anos. Uma pessoa olha para ele, volta a olhar, demora-se a olhar e percebe que aquele homem tenha nascido no Dia Internacional da Mulher. Para celebrar, combinámos uma ida a um bar/discoteca. Quando lá chegámos, aos homens estavam a pedir consumo mínimo, mas as mulheres eram dispensadas de pagamento. Somámos o total das entradas e dividimos por todos excluindo o aniversariante. É que o 8 de Março é isto.

Salários mais altos

A Bloomberg publicou um ranking de salários nos EUA, de acordo com dados recolhidos pela Glassdoor. Os dados são oferecidos pelos próprios, logo não são perfeitos porque há enviesamento de selecção e outros problemas. A profissão mais bem paga é a dos médicos, com salários medianos anuais que atingem quase $188.000, havendo na lista seis profissões da área de saúde.

Mas não pensem que é tudo a abrir, com salários assim. Se seguiram as notícias acerca do homem que desatou aos tiros aqui onde eu moro, em Setembro do ano passado, uma das pessoas atingidas foi um anestesiologista
, cujas contas do hospital foram pagas com a ajuda de um peditório.

Adenda: Para os mais curiosos, a Glassdoor disponibiliza mais detalhes dos seus dados aqui.



Fonte: Bloomberg

quarta-feira, 8 de março de 2017

Alteração ao Código Civil

Fiquei hoje a saber que o Código Civil português contém um artigo, o 1605.º, sobre o "prazo internupcial", o qual contempla que, após um divórcio, tem de haver um período de espera antes do cidadão divorciado poder contrair novo matrimónio: os homens esperam 180 dias, as mulheres esperam 300, ou 10 meses, um prazo mais longo do que o do homem, não vá uma mulher estar grávida de outro homem, que não o noivo, e o noivo acabar por assumir um filho que desconhece não ser seu.

Se o espanto matasse, vocês estariam neste momento a planear ir ao meu enterro -- ou a rezar um terçozinho para eu ir mais depressa para o inferno. Eu até leio o Código Civil de vez em quando, mas nunca me tinha apercebido desta maravilha, nem supunha sequer que algo deste teor pudesse sobreviver tanto tempo na lei, mas enganei-me redondamente. Há que remediar a situação o mais depressa possível e julgo ter a solução:
  • Proponho uma alteração ao Código Civil, com a criação de uma nova lei pela qual os homens que querem casar têm de provar que não engravidaram nenhuma mulher às escondidas da sua noiva. Acho justo: se a lei tem de precaver elas enganarem os futuros maridos, então também deve precaver eles enganarem as futuras esposas.
Bem sei que podíamos ir pelo caminho das propostas do Bloco de Esquerda, mas acho que dar um período de espera igual para homens e mulheres é um grande desperdício. Para quê simplificar a lei, quando, com o mesmo esforço, se pode complicá-la ainda mais? Em Portugal, a solução do Bloco de Esquerda não faz sentido; a minha ideia respeita muito mais os costumes portugueses.

Acho que percebi

“Os resultados do leilão de hoje refletem uma procura robusta, numa altura em que se observa alguma diminuição do risco antes dos eventos que se aproximam, como as eleições francesas em abril e a revisão de rating da DBRS, continuando a oferecer níveis de rentabilidade atrativos aos investidores”, destaca Marisa Cabrita, gestora de ativos da Orey Financial.

“Na linha a três anos, menos habitual, a procura foi especialmente elevada. Comparativamente aos últimos leilões desta obrigação, a yield exigida foi inferior, no entanto, o montante colocado substancialmente inferior”, frisou a responsável.

Fonte: ECO

Se bem percebi isto, Portugal emitiu dívida e, segundo Marisa Cabrita, houve forte procura de títulos -- estava tudo aos empurrões para emprestar a Portugal, por isso exigiram que Portugal pagasse taxas de juro mais altas a 9 anos e mais baixas a 3. O risco de emprestar a Portugal é menor, por isso os investidores mostraram mais interesse em emprestar no prazo mais curto porque tinham certeza que o prazo mais longo, que até pagava mais juros, era um investimento pior. Finalmente, o IGCP estava tão satisfeito com o interesse da procura de títulos a três anos que nem pediu emprestado tudo o que poderia pedir àquelas taxas de juro tão baixas.

E viveram felizes para sempre!



Ah, mulheres!

It's like that time of day when the sun and the moon are out at the same time.

A post shared by Kyle Krieger (@kylekriegerhair) on



[Mais vale um gajo gay de cortar a respiração, do que um heterossexual medíocre. Life goals, ladies!]

Humanos

Quando era pequena, li vários volumes de uma colecção escrita por Adolfo Simões Müller (que nunca soube quem é) onde se contavam a vida e façanhas de vários indivíduos, cientistas, exploradores, enfim, aqueles que deram a vida para darem grandes contributos à humanidade. Os meus preferidos (sou do tempo em que os livros preferidos, porque tínhamos muito tempo, se liam várias vezes) eram os de Scott e Amundsen, este, norueguês, que venceu a corrida para chegar ao Pólo Sul, e aquele, inglês, que morreu no gelo antártico depois de conseguir a mesma coisa (que imaginação romântica resiste ao destino tão diferente de dois heróis, um que atinge a glória em vida, outro na morte?), e o de Marie Skłodowska Curie, que deu também a vida, mas de forma mais lenta do que Scott, envenenada pelo rádio, um dos elementos que descobriu (o outro foi o polónio, e os sons rádio e polónio ainda me fazem pensar para trás). Lembro-me de ler como, no seu laboratório gelado, não pelo gelo antártico mas pelo gelo de quem prefere gastar o pouco que tem numa missão obsessiva, mexia durante longas horas substâncias para mim desconhecidas em contentores estranhos. Mas acho que um dos grandes efeitos sobre mim desta biografia foi a convicção de que era normal homens e mulheres fazerem coisas importantes. Lembro-me de que eram mais penosos os obstáculos da pobreza para que Marie Skłodowska e o marido pudessem continuar as suas pesquisas do que o facto de ela ser mulher (isso certamente estava lá, mas não é o que me impressionou na altura). Esta convicção de que há uma igualdade fundamental entre homens e mulheres e que ela é evidente e reconhecida por todos, tão evidente como as leis da lógica ou as contas de somar, mantive-a até entrar no mundo adulto, que é onde as ilusões infantis se desfazem contra o muro implacável da realidade.
Hoje celebro o dia da mulher de duas maneiras, então. Celebro as minhas ilusões infantis. E celebro Marie Skłodowska Curie, que demonstrou a justiça delas.

terça-feira, 7 de março de 2017

A op-ed mais polémica da semana

Noah Feldman, Professor de Direito Constitucional e Direito Internacional na Harvard Law School, defende na BloombergView que, se o Presidente Trump acusou Barack Obama de colocar escutas nos telefones do candidato Trump e se não há provas que suportem a acusação e esta é falsa, este comportamento deveria dar origem a um processo de impeachment do Presidente Trump:

"The answer is that the constitutional remedy for presidential misconduct is impeachment.

That would have been the correct remedy if Obama had “ordered” a wiretap of the Republican presidential candidate’s phones. The president has no such legal authority. Only a court can order a domestic wiretap, and that only after a showing of probable cause by the Department of Justice and the Federal Bureau of Investigation.

Breaking the law by tapping Trump’s phones would have been an abuse of executive power that implicated the democratic process itself. Impeachment is the remedy for such a serious abuse of the executive office.

That includes abuse of office in the form of serious accusations against political opponents if they turn out to be false and made without evidence. These, too, deform the democratic process.

[...]

What’s more, government acts that distort and undercut the democratic process are especially serious and worthy of impeachment. The Watergate break-in to the Democratic National Committee headquarters was part of an effort to steal the 1972 election. A wiretap of Trump’s campaign would’ve had political implications.

And accusing the past Democratic president of an impeachable offense is every bit as harmful to democracy, assuming it isn’t true. Obama is the best-known and most popular Democrat in the country. The effect of attacking him isn’t just to weaken him personally, but to weaken the political opposition to Trump’s administration.

Given how great the executive’s power is, accusations by the president can’t be treated asymmetrically. If the alleged action would be impeachable if true, so must be the allegation if false. Anything else would give the president the power to distort democracy by calling his opponents criminals without ever having to prove it."


Fonte: Noah Feldman, Bloomberg

segunda-feira, 6 de março de 2017

Girls, life is too short for bad coffee...


David Aylsworth

No Sábado foi a abertura de uma retrospectiva do trabalho de David Aylsworth, um artista de Houston, no Galveston Arts Center, em Galveston, TX. Durante a palestra, o artista explicou como trabalha e tenta exprimir na tela o que lhe vai na alma. Muitas vezes pinta enquanto ouve bandas sonoras da Broadway e os títulos que dá aos quadros são versos de canções que ouve enquanto trabalha. Não sabe se no espectador surgirá a mesma ideia, mas talvez com algumas pessoas haja uma intersecção de ideias-- o nome da exposição é Either/And. A forma como fala do processo quase que evoca uma súplica de que o espectador o veja, de que veja no seu trabalho aquilo que ele viu.

sexta-feira, 3 de março de 2017

Homens modernos...

Os gajos modernos que não gostam de feministas, talvez porque pensem que elas não rapam os sovacos e as pernas, admiram, no entanto, o corpo da mulher, mas tem de ser um certo tipo de mulher. Ah, aquele corpaço com curvas tipo Autódromo do Estoril e que, no Verão, fica luzidio com o calor e apetece passar o dedo e fazer outras coisas mais...

Agora que o piropo é ilegal, surgem no cérebro deles, em luzes de néon, coisas como "Boca de broche!" e "Comia-a toda" -- perdão, é natural que estes tipos não saibam que é "Comia-a toda" e pensem que seja "Comi-a toda!" ou "Comia toda!", mas adiante, malta, porque eu também dou calinadas a português, apesar de quase nunca pensar na Marisa Papen quando as dou.

Então, dizia eu que estes homens modernaços acham que sabem apreciar mulheres porque gostam daquelas gajas boazonas. Derretem-se por aqueles vídeos das danças de salão, em que o vestido da gaja sugere o pecado que mora lá dentro e detêm-se em questões existenciais de lingerie, tipo "como é que ela segura as cuecas, hein?" É tão bom mostrar que se gosta de apreciar a técnica da mulher que dança! Eu também sou assim: gosto das gajas descascadas que dançam bem, têm ritmo, bom gosto em música, umas mamas jeitosas, etc. E sabem que eu sou boa a dar gorjetas!!!

Quando sinto que há oportunidade para um momento de camaradagem -- porque temos gostos que se sobrepõem, i.e., há intersecção no diagrama de Venn --, peço referências de strip bares que estes homens modernos frequentam para eu visitar. Só que não me respondem; logo ou não assumem que vão ou não vão. Destas duas opções, não sei qual a pior... Ao menos eu admito que praticamente fiz o meu mestrado em strip bars e discotecas -- e discotecas gay? Ah, tão bom!

Afinal, sou mesmo holística: uma feminista que não se rapa (fiz depilação a laser) e uma machista com bom gosto em mulheres.

Engolir a língua

O moço do Partido Comunista, o Miguel Tiago, que segue as últimas modas de cuidados pessoais e é barbudo, diz que é milagre Teodora Cardoso ainda ter emprego e lhe pagarem um salário. Então e o Mário Centeno, ó Miguel? Ele tinha previsões de 2,6% de crescimento do PIB? Porque é que o PCP, que apoia o governo, não exige que Mário Centeno seja despedido e mantido em estado de desemprego permanente?

O que eu acho milagroso é o PCP se prestar a este serviço. Mas suspeito que o nosso ilustre Primeiro Ministro, com a ajuda de Mário Centeno, está a preparar um orçamento que o Conselho de Finanças Públicas irá criticar por ser demasiado optimista, logo António Costa já deu indicação à sua malta para questionar em Praça Pública a credibilidade do Conselho de Finanças Públicas. Esta coisa de independência administrativa do Conselho de Finanças Públicas deve dar muito comichão ao nosso PM Costa -- besunte-se com Aveeno para Eczema, caro PM Costa, que isso passa.

Vocês alguma vez imaginariam que o PCP se tornaria num dos lacaios do PS? As coisas que acontecem em Portugal... Só é pena que o nosso PM não demonstre este talento para coisas produtivas, como reformar o país e metê-lo numa trajectória sustentável. O único talento que tem é convencer os outros a auto-flagelar-se, suspendendo o uso da razão e envergonhando-se em público. Não vos recorda o Hannibal Lecter no The Silence of the Lambs quando convence o vizinho da cela, o Miggs, a engolir a própria língua? Lembram-se do Miggs, não é?

Hannibal Lecter: Now then, tell me. What did Miggs say to you? Multiple Miggs in the next cell. He hissed at you. What did he say?
Clarice Starling: He said, "I can smell your cunt."
Hannibal Lecter: I see. I myself cannot. You use Evian skin cream, and sometimes you wear L'Air du Temps, but not today.


~ The Silence of the Lambs

Ena pá, tantos!

A CNN escreveu uma pequena sinopse do pessoal da campanha Trump que se encontrou com oficiais russos. Todos eles dizem que era tudo casual, não tinha nada de mal.

Haver um encontro entre um conselheiro uma vez pode ser considerado casual; mas há vários encontros, ao longo de vários meses desde, pelo menos, Julho do ano passado, envolvendo seis pessoas -- potencialmente mais. Isto é um esforço concertado ou dos russos ou de Trump.

quinta-feira, 2 de março de 2017

A vírgula do Tom Hanks...

Sim, é uma "Oxford comma"!


O prato do dia

O prato do dia de hoje nos noticiários americanos é Jeff Sessions, ex-Senador do Alabama e actual Attorney General da Administração Trump. Jeff Sessions teve contactos com o Embaixador russo nos EUA antes da eleição, apesar de, durante a sua confirmação para o seu actual cargo, ter dito que não tinha tido contactos com os russos. O GOP está dividido, uns acham que isto é uma perseguição política, outros que deve ser devidamente investigado.

Marco Rubio, Senador Republicano que representa a Florida no Congresso e membro do U.S. Senate Select Committee on Intelligence, em entrevista na NPR, dizia que não iria participar nem numa caça às bruxas, nem num encobrimento da verdade. Rubio era um dos oponentes mais sonoros à Administração Obama e foi um dos candidatos à Presidência nas Primárias americanas, durante as quais Donald Trump lhe deu a alcunha de "Little Marco". Quando o ouvi a ser entrevistado, ocorreu-me que ele não terá problemas em virar-se contra Trump se vir uma boa oportunidade para o fazer. E como ele, há outros Republicanos assim. Parece-me que iremos assistir a um processo de canibalismo político dentro do Partido Republicano americano.

Depois de Mike Flynn, Jeff Sessions é a segunda pessoa próxima de Trump associada a russos e há quem exija a sua demissão ou, pelo menos, a sua recusa de participar na investigação do papel da Rússia nas eleições. Há umas semanas, noticiava-se que a lista de pessoas próximas de Trump contactadas pela Rússia incluía pelo menos três nomes; falta ainda saber a identidade da terceira. No New York Times de hoje, há mais detalhes acerca do tipo de informação que os serviços secretos americanos têm, há conversas entre oficiais russos onde se discutiam contactos com membros da equipa de Trump:

"The warning signs had been building throughout the summer, but were far from clear. As WikiLeaks was pushing out emails stolen from the Democratic National Committee through online publication, American intelligence began picking up conversations in which Russian officials were discussing contacts with Trump associates, and European allies were starting to pass along information about people close to Mr. Trump meeting with Russians in the Netherlands, Britain and other countries.

But what was going on in the meetings was unclear to the officials, and the intercepted communications did little to clarify matters — the Russians, it appeared, were arguing about how far to go in interfering in the presidential election. What intensified the alarm at the Obama White House was a campaign of cyberattacks on state electoral systems in September, which led the administration to deliver a public accusation against the Russians in October in Mr. Trump’s favor. In early December, Mr. Obama ordered the intelligence community to conduct a full
assessment of the Russian campaign.

[...]

Beyond leaving a trail for investigators, the Obama administration also wanted to help European allies combat a threat that had caught the United States off guard. American intelligence agencies made it clear in the declassified version of the intelligence assessment released in January that they believed Russia intended to use its attacks on the United States as a template for more meddling. “We assess Moscow will apply lessons learned,” the report said, “to future influence efforts worldwide, including against U.S. allies.”"


Fonte: The New York Times

É estranho que os russos tenham sido tão descuidados; não seria muito difícil usar um código de forma a que o nome de Trump e pessoas associadas a ele não fossem facilmente identificáveis nas escutas dos serviços secretos americanos. É como se os russos quisessem ser apanhados. Se era essa a ideia, está a funcionar bem, pois não parece que a história da Rússia morra tão facilmente porque, para além de haver informação que ainda está a ser analisada, o potencial para fugas de informação é enorme pois a Administração Obama deixou tudo o que sabia documentado e disseminado.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Um discurso vazio

As reacções ao discurso de Donald Trump no Congresso dominam as notícias hoje de manhã. A maior surpresa para muitas pessoas é ele ter conseguido dar um discurso pré-preparado durante uma hora, ou seja, a medida de sucesso está ao nível de um aluno da escola primária. Na NPR, um antigo consultor da Breitbart, Kurt Bardella, dizia que nada no discurso o tinha impressionado: ele é Presidente dos EUA, conseguir dar um discurso em que demonstra ser uma pessoa com auto-controle, que não insulta os oponentes, é completamente trivial e é completamente ridículo sequer mencionar isso.

Para as pessoas que estavam à espera de detalhes de que políticas o Presidente ia implementar, o discurso não clarificou a agenda e há quem o qualifique de vazio. Apesar de índices financeiros, como o Dow e o S&P 500, estarem perto de máximos históricos, há indicações de que os investidores não estão convencidos:
O mercado americano entrou em modo "expectativas adaptáveis": se subiu ontem, vai subir hoje; logo mudanças de direcção não serão antecipadas. Ontem saíram algumas clarificações acerca da opinião da Reserva Federal, que indicam que a probabilidade de haver uma subida das taxas de juro em Março é bastante alta -- o mercado presumia que a subida aconteceria apenas em Junho --, o que reforça a ideia de que ainda há boas notícias da economia pela frente, pois a Reserva Federal tem acesso a um leque muito mais alargado de dados e informação fundamental. Note-se, no entanto, que estas boas notícias não resultam da nova Administração, mas sim do enquadramento económico deixado pela Administração Obama. Do ponto de vista legislativo, o Congresso não tem feito quase nada significativo e Trump limita-se a passar acções executivas.