quinta-feira, 22 de setembro de 2011

El próximo presidente del gobierno español


Eu e o Pedro Magalhães decidimos, a bem do equilíbrio das nossas contas externas, internacionalizar os nossos serviços. Assim, depois de termos, com sucesso, acrescente-se, feito previsões para eleições legislativas e presidenciais em Portugal, chegou a vez de Espanha. Para ser sincero, desta vez a ideia nem foi nossa, foi de Michael Lewis-Beck, que nos contactou para trabalharmos sobre Espanha. O resultado foi este.
Como sempre acontece nestas previsões, o principal desafio foi o de estimar um modelo econométrico decente com tão poucas observações (apenas oito eleições legislativas). Para aligeirar este problema, juntámos ao modelo as seis eleições para o parlamento europeu que Espanha já teve, mas, pelo meio, tivemos de apagar algumas, enfim.
Para prevermos o resultado do partido do governo usamos, essencialmente, três variáveis explicativas: duas económicas e uma política. As económicas são, como seria de esperar, a inflação e o desemprego. A variável política que usamos é obtida através de uns inquéritos mensais à população espanhola que existem desde o fim da década de 70 do século XX. Para que o nosso modelo tenha fins preditivos, usamos dados com um desfasamento de 6 meses.
Carregando a nossa bola de cristal com os dados disponíveis em Maio, obtemos uma previsão para as eleições que se verificarão em Novembro:
PSOE = 34,5%.
Será a segunda votação obtida pelo partido incumbente mais baixa de sempre, mas suficiente para evitar uma razia de proporções loucas.
Se quiser perceber melhor como chegámos a este resultado, leiam esta entrada do Pedro Magalhães. Ele explica tudo muito melhor do que eu.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.