domingo, 10 de setembro de 2017

O novo ano escolar


Desde o meu último post (Novidades na educação?) tenho acompanhado discretamente a evolução das decisões do Ministério sobre as alterações propostas, sem qualquer informação que não seja a que tem saído na comunicação social, a qual nem sempre prima quer pela objectividade quer pelo conhecimento fundamentado sobre o que analisa.

Ao aproximarmo-nos do inicio do ano escolar de 2017-2018 as notícias tornam-se mais explícitas. No Diário de Notícias de ontem um artigo de página inteira da autoria de Pedro Sousa Tavares tem como título “O ano em que um quinto das escolas reaprendem a ensinar”. No Expresso, também de hoje, Isabel Leiria intitula a sua prosa: “Sumário: Este ano vamos ensinar de forma diferente”.


Curiosamente, verifiquei que ambos os artigos, factual e interpretativamente, são mais escorreitos do que muitos outros. Eu preferiria que os títulos enfatizassem mais o aprender do que o ensinar, porque na verdade o que está em causa é a aprendizagem dos alunos; claro que a vertente ensino existe, mas diferentemente do que é normalmente entendido. 

De qualquer modo, os jornalistas não esqueceram dizer que a “novidade” que se vai tentar introduzir nas escolas portuguesas não é novidade alguma, porque nos anos finais do século passado muitas escolas experimentaram a flexibilidade curricular e o processo só não teve sequência porque o apoio que o Ministério deveria ter proporcionado foi descontinuado com a chegada de um novo ministro. Não deixam também de apontar o que podem ser os aspectos positivos da flexibilização e de referir as dúvidas e apreensões que podem existir face ao modo como se vai desenvolver esta situação, que podemos caracterizar como experimental.

Não tenho dúvidas de que, se bem conduzido, o processo de flexibilização tem condições de êxito, como se pode deduzir do que se passou entre 1997 e 2001 em muitas escolas, e está documentado em várias publicações. Que entendo por processo bem conduzido?

Em primeiro lugar, que o Ministério da Educação disponibilize um apoio claro e eficiente às escolas participantes, quer pelas suas estruturas, quer contratualizando esse apoio com as instituições de ensino superior que tenham departamentos de educação (existem em todos os distritos). Que seja claro na definição do que se pretende e, como um dia disse perante uma situação de desconchavo, que não seja inflexível num projecto que se pretende flexível…

Em segundo lugar, nas escolas onde se desenvolve a flexibilização curricular é necessário que existam lideranças fortes. Lideranças, não liderança; fortes, mas não autoritárias. O director da escola é por natureza líder, mas para as diversas áreas outros líderes terão de emergir, que privilegiem o diálogo mas tenham capacidade para gerar acordos e garanti-los. A nova estrutura que se pretende nas escolas é aliciante, mas exige muito dos professores. Eu não tenho ilusões: nem todos os professores estão preparados para o desafio que lhes é proposto. Um professor que não se sinta capaz de participar não deve ser obrigado; tem de se lhe dar tempo para interiorizar as novas competências que lhe são pedidas.

Um dos comentários de alguns professores que têm aparecido realça que no fundo a “novidade” nem é novidade, porque muitos docentes já praticam o trabalho de projecto, a aprendizagem cooperativa, já têm fugido ao programa… É certo, e tenho conhecimento pessoal de quem, desde há muito tempo, tenha integrado no processo de ensino-aprendizagem nas suas classes elementos que se aproximam do que é proposto na flexibilização curricular. Contudo, o que se espera agora das escolas é diferente, porque implica um trabalho muito mais colectivo, uma programação cuidada e uma atenção constante aos pormenores.

Para quem, como eu, defende este tipo de abordagem à organização do trabalho nas escolas, haverá lugar a qualquer apreensão? Certamente que sim. Ao contrário do que aconteceu há cerca de vinte anos, as escolas (os professores) tiveram pouco tempo de preparação. Enquanto na altura decorreram quatro anos de preparação, agora podemos dizer que tudo se decidiu num ano. Esta circunstância reforça o que apontei acima – o Ministério tem de ter um apoio constante e eficiente.

Por outro lado, o que vai mudar é importante demais para se correr de novo o risco de dentro de algum tempo alguém com poder de decisão entender desfazer o que se vai construir. E não estou certo que isso não possa acontecer. De facto, durante muito tempo assumi que havia entre as forças políticas no país um relativo consenso quanto ao essencial na educação – ainda o acreditava na viragem do século. A evolução posterior mostrou que esse relativo consenso se esfumou, atingindo a rotura quando Nuno Crato teve a responsabilidade do Ministério da Educação.

Seria bom que num futuro muito próximo fosse possível, em relação à educação, encontrar linhas programáticas que fossem aceites e assumissem carácter vinculativo. O que está a ser feito, neste momento, parece ser um bom princípio.



5 comentários:

  1. «(...)
    Eu preferiria que os títulos enfatizassem mais o aprender do que o ensinar, porque na verdade o que está em causa é a aprendizagem dos alunos
    (...)»
    Isso é o que os bons professores sabem, enquanto professores, e muito bem costumam aplicar.

    ResponderEliminar
  2. A minha única crítica ao Cândido é a de não escrever com regularidade suficiente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto, diz o roto ao nu: porque não te vestes tu?

      Eliminar
  3. A crítica do André lisonjeia-me, claro. Não sei por que publico pouco, quer na minha área de interesse quer noutras para as quais teria algo a dizer. Talvez preguiça? Talvez por pensar que a maior parte dos leitores deste blog têm interesses muito marcados na área económica? Bom, vou ver se escrevo mais...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós somos holísticos, logo os nossos leitores são pessoas muito curiosas e interessam-se por tudo.

      Eliminar

Não são permitidos comentários anónimos.