quarta-feira, 30 de maio de 2018

Pessoal, mas transmissível


Hesitei uns momentos antes de começar a escrever este texto. Vai ser tão pessoal que ao partilhá-lo como que perco alguma coisa dele. Mas esse risco corri-o quando encetei “A Memória Flutuante”; seria, portanto, pouco lógico que guardasse só para mim o que vou narrar.

Em posts anteriores e já distantes (ver aqui e aqui) referi os tempos em que vivi na cidade da Horta, no Faial, onde leccionei no Liceu. Passaram mais de cinquenta anos! Pois há meses recebi uma mensagem totalmente inesperada e, a meus olhos, invulgar. Um dos meus alunos de então informava-me que os finalistas de 1968 iam comemorar os cinquenta anos de formatura, haviam decidido repor em cena “A Longa Ceia de Natal”, de Thornton Wilder, (que constituiu uma importante parte da sua récita de despedida), e convidavam-me a estar com eles nesse momento, a concretizar no dia 1 de Junho do corrente ano.

Tenho tido, ao longo da vida, por parte de ex-alunos com quem me tenho cruzado, manifestações de simpatia nas quais sobressai quase sempre a memória de ter sido um professor estimado. Nunca, porém, fui confrontado com esta situação, única, de ao fim de cinquenta anos, um grupo de ex-alunos, de facto uma turma, que teria uns quarenta jovens, se lembrar de mim a ponto de me querer nas comemorações que vão levar a efeito. Percebo que o facto de ter colaborado com elas e eles na peça “A Longa Ceia de Natal”, que teve um assinalável êxito, tenha contribuído para dar uma maior dimensão à memória afectiva, mas mesmo assim não posso deixar de estar comovido com este regresso ao passado.

Assim, vou voar amanhã até à cidade da Horta, para no dia seguinte estar presente na comemoração dos meus alunos. Não sei bem definir o que sinto. É um misto de felicidade, de orgulho, não propriamente vaidade, mas o sentimento de ver reconhecido o que sempre procurei ser, um professor profissionalmente competente.

Quando atingi o limite de idade creditei a mim próprio o ter cumprido o meu dever de cidadão empenhado nas coisas da educação. Agora, quando a minha jornada se aproxima do fim, esta lembrança dos meus “velhos” alunos gratifica-me mais do que uma qualquer medalha da Ordem da Instrução Pública.

Para memória mais tangível, fica o cartaz promocional da sessão do dia 1.  



3 comentários:

  1. Parabéns, Cândido! Acho que o trabalho com os alunos é, realmente, um dos mais gratificantes. É bastante comovedor que os seus alunos continuem a se interessar por algo no qual participou e o queiram partilhar com o resto da comunidade. Boa viagem e que continue a acumular -- e talvez até partilhar connosco -- memórias destas.

    ResponderEliminar
  2. Depois não te esqueças de escrever sobre como foi a visita. Quantos alunos reconheceste?

    ResponderEliminar
  3. Continuo em viagem pelos Açogrés. Hoje estou em S. Jorge. Quando regressar darei conta destes dias inesquecíveis.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos.