segunda-feira, 30 de maio de 2016

Se eu fosse o José Cid...

... estaria, no mínimo, preocupado.

Fonte: INE, Estatísticas da Justiça


14 comentários:

  1. Por acaso, pelo menos pelo Norte, o transmontano (não confundir com duriense) não goza de grande reputação. "Façanhudo", "desconfiado", "lava a honra da família com sangue" e outros chavões que tal. Mas, claro, alguma coisa estará, porventura, na origem dos chavões.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fora de brincadeiras, deve haver algo nas regiões mais isoladas que está relacionado com este tipo de crime. As taxas para os Açores são 14,17 e para a Madeira 9,94, bem acima da média nacional. A taxa para o Algarve estará sobrevalorizada, uma vez que os turistas não contam no denominador.

      Eliminar
    2. Fora de brincadeiras, deve haver algo nas regiões mais isoladas que está relacionado com este tipo de crime. As taxas para os Açores são 14,17 e para a Madeira 9,94, bem acima da média nacional. A taxa para o Algarve estará sobrevalorizada, uma vez que os turistas não contam no denominador.

      Eliminar
  2. Pois, mas eu tenho muito mais receio de passear em Lisboa ou Porto, do que em Bragança ou Mirandela. Colocar mapas estatísticos assim a seco, sem qualquer tipo de análise, para provar o que quer que seja, não é lá muito boa ideia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Renato, relaxe, que eu não quero provar nada. É uma piada!

      Eliminar
    2. É uma piada? Não, é um mapa do INE com estatísticas. Eu acho que o INE é uma instituição um bocado sisuda, nada dada ao humor.

      Eliminar
    3. Descontraia. Não leve isto tão a sério.

      Eliminar
    4. Mas tem medo de ser assassinado ou espancado, ou o medo é sobretudo de ser assaltado (o que imagino que não conte como "criminalidade contra pessoas"?)

      Eliminar
    5. Concordo completamente que a sensação de insegurança existe muitíssimo mais em grandes cidades do que em Trás-os-Montes (que conheço bem, pois a minha cara-metade é de lá). Não sei explicar a discrepância entre os dados estatísticos e a "realidade sentida" no terreno.

      Eliminar
    6. Acerca da discrepância: por um lado, talvez o risco de ser assaltado (que, como disse, penso que não conta como "crime contra pessoas") seja maior nas grandes cidades; por outro lado, o factor "aleatoriadade" também conta para a sensação de insegurança (suspeito que a maior parte das pessoas prefira pagar 25% de impostos do que ter uma probabilidade de 25% de ser assaltado) - uma pessoa em Trás-os-Montes que não tenha uma rixa prévia com alguém (relacionada com terras, águas ou relações sentimentais) correrá um grande risco de ser vítima de um crime?

      Eliminar
    7. Eu, Miguel? Não ando propriamente em pânico em Lisboa ou no Porto. Apenas disse que sinto mais receio nessas grandes cidades, do que em Trás-os-Montes, porque a sensação de insegurança é ali bastante maior. O que me parece natural, porque a taxa de criminalidade de todos os géneros nesses concelhos é bastante pior do que em qualquer localidade transmontana. Os dados estatísticos piores em Trás os Montes têm mais a ver com rixas entre vizinhos, tipicamente rurais e eventualmente mais acentuadas no norte. Pronto, mas isto é a gente a reinar, como dizem o João e o Luís ;)

      Eliminar
    8. Já agora, não sabia mas há uma "Tabela de Crimes Registados", que pode ser consultada aqui https://cse.ine.pt/ngt_server/attachfileu.jsp?look_parentBoui=11736434&att_display=n&att_download=y
      Os dados que apresentei foram retirados do Sales Index (da Marktest). O INE não publica as permilagens para este tipo de dados, pelo que deduzo que estas tenham sido calculadas pela Marktest.

      Eliminar
  3. Eu fui logo a correr ver os últimos números do INE sobre as causas de morte, para verificar a taxa de suicídio no Alentejo :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas....o suicídio não é crime!!

      Eliminar

Não são permitidos comentários anónimos.