quarta-feira, 13 de maio de 2015

Multiplicação, aka, sexo

É Quarta-feira, e vocês sabem o que isso significa: é hora de termos prazer e salvarmos Portugal. É o dia que eu dedico à Campanha de Natalidade da nossa Ministra das Finanças. Sabem o que eu acho giro? Que tenha sido uma mulher do nosso governo que disse "Multipliquem-se"; os homens andavam a pensar em impostos e subsídios, como de costume. Estes políticos matam o tesão de qualquer pessoa. Ainda bem que eu estou fora de Portugal e não estou sujeita a tantas manobras de tortura. Então vamos lá a isto.

Depois de ler o meu post de achincalhamento, o NAJ enviou-me um poema de Carlos Drummond de Andrade. Digo-vos: este poema é perfeito! Até parece que eu o encomendei ou que o conhecia; mas, não, só o vi quando ele mo enviou. Quando chegarem a casa, façam o favor de olhar para o chão e pensar nas possibilidades. Depois, traduzam para a realidade o desejo que vos consome.

O chão é cama para o amor urgente,
amor que não espera ir para a cama.
Sobre tapete ou duro piso, a gente
compõe de corpo e corpo a húmida trama.

E para repousar do amor,
vamos à cama.

~ Carlos Drummond de Andrade

E eu acho este vídeo muito sexy e gosto bastante da espontaneidade na praia--adoro o mar. Sejam malucos, eu já sou...

P.S. Obrigada, Nuno. Ah, e uma nota pessoal, que já me assaltou a cabeça várias vezes: trabalhar em equipa é muito mais engraçado e produtivo do que trabalhar a solo e parece que o Luís tem talento para construir equipas que funcionam bem. Obrigada, Luís; gosto muito de aqui estar...

12 comentários:

  1. Tens razão, Rita, estamos todos em dívida com o Luís,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Zé Carlos. Também gosto muito de trabalhar contigo e aprecio imenso não só o teu contributo, como o teu feedback. :-)

      Eliminar
  2. é hora de termos prazer e salvarmos Portugal. É o dia que eu dedico à Campanha de Natalidade

    Eu tenho a impressão de que a Rita tem muito prazer, sim, mas que natalidade, não tem nenhuma.

    Quantos filhos é que a Rita, com ou sem prazer, tem?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nenhum! Eu esperei demasiado e não consegui engravidar. Mas eu saí de Portugal; se tivesse filhos, seriam americanos e isso dar-me-ia razões para eu não querer regressar a Portugal. No meu caso, não ter filhos é melhor para Portugal.

      Eliminar
    2. Eu esperei demasiado e não consegui engravidar.

      Os meus pêsames.

      Acontece a bastantes mulheres. Passam muitos anos a tomar a pílula e um dia, quando afinal querem engravidar, descobrem que estão estéreis.

      se tivesse filhos, seriam americanos e isso dar-me-ia razões para eu não querer regressar a Portugal

      Tantos erros numa só frase.

      Eu na Pensilvânia conheci uma suíça que me disse que gostava muito dos EUA e que tencionava lá continuar mas que, se acaso engravidasse, votaria imediatamente para a Europa. Porque, disse-me, os EUA são um dos piores países para se ter um filho, devido (salvo erro, já não me recordo bem) ao péssimo sistema educativo.

      Ou seja, se a Rita tivesse filhos não precisaria de os ter nos EUA.

      Outro erro: o facto de o filho da Rita ser americano não significa que ele um belo dia não decida vir para a terra da mãe. As pessoas emigram. Nem as crianças nascidas em Portugal ficarão necessariamente em Portugal, nem as crianças nascidas no estrangeiro deixarão de um dia vir para Portugal.

      Eliminar
    3. Cada um tem as suas preferências. Felizmente, as minhas preferências são diferentes das das mulheres suíças. O meu marido era americano e eu não iria para Portugal só para que os meus filhos pudessem crescer em Portugal. Para além disso, em Portugal, a minha vida profissional seria muito limitada, o que eu faço não existe aí. Não tenho talento para me meter em situações onde sei à partida que vou perder.

      Eliminar
  3. Parabéns Luís Lavoura, não é fácil ser tão desagradável em tão poucas palavras, e as suas são de uma eficácia milimétrica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fui desagradável em quê? Não entendo.

      Eliminar
    2. Deixe estar, Luís. Ninguém está à espera que entenda.

      Eliminar
  4. Não compreende em que é que fazer comentários/perguntas íntimas sobre as opções reprodutivas de uma pessoa com um tom sarcástico num fórum público é desagradável? Se os seus pais não lhe explicaram em pequenino, acho que eu também não serei capaz :-(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não utilizei nenhum tom sarcástico. Você está a ler nos meus escritos coisas que lé não estão.

      Eliminar
    2. O facto de o meu comentário - que, repito, não foi sarcástico - ter sido feito num fórum público é que lhe dá valor. Porque o comentário tem natureza pública. O que se passa é que conheço diversas mulheres que têm o mesmo problema que a Rita. E esse problema tem que ser divulgado, tem que ser público, para que outras mulheres saibam que ele existe. Ou seja, as mulheres que estão atualmente na casa dos 20 anos, e que alegremente estão a tomar a pílula, devem saber que correm um sério risco de que quando um dia, aos 30 e tal anos, decidam ter um filho, não sejam capazes. Porque as pílulas têm efeitos a longo prazo e o sistema reprodutivo das mulheres (e dos homens) deteriora-se.
      De resto, como disse, lamento sinceramente o problema da Rita (e de todas as outras na mesma situação).

      Eliminar

Não são permitidos comentários anónimos.