quarta-feira, 3 de junho de 2015

Geografia do (teu) corpo

Busco o planisfério dos teus lábios,
Espreito o equador das tuas coxas
Num oceano imenso de cumplicidade.
Sinto a tua voz tocar-me
Com a ternura das planícies
No longínquo meridiano da saudade.
Feito de cordilheiras,
O teu corpo
Serpenteia
Nos fiordes do meu desejo.
Quero-te sem fronteiras,
Istmo de península sonâmbula.
Quero-te,
Enfeitada de coral,
Feita de magma fervente.

(Para escrever com o dedo num corpo à escolha.)

Atenção: Antes de escreverem seja o que for num corpo à vossa escolha, obtenham o devido consentimento previamente. Este blogue não se responsabiliza por processsos judiciais causados pela utilização irresponsável das propostas lírico-lúbricas dos seus autores.

1 comentário:

  1. Grazie, grazie pelo contributo Nunial para a campanha de natalidade do nosso querido Portugal. (Ahhhh, o disclaimer é genial, pá! Como sempre. Bisous...)

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos.