sexta-feira, 19 de maio de 2017

Um presente envenenado

Enquanto anda tudo entusiasmado com o primeiro trimestre de 2017, vale a pena comparar vários anos para vermos se estamos piores ou melhores do que quando a Geringonça tomou posse. Sendo assim, fui ao site do INE ver o que lá andava. (Confesso que fui ao INE porque o Pedro Romano quase que nos desafiou a lá ir e eu tenho muita dificuldade em resistir a desafios).

É estranho que, quando o governo PSD/CDS estava no poder, falar em défice, dívida, e PIB era sinal de corrupção moral, pois havia coisas muito mais importantes do que isso. Só que agora, com o défice de 2016 pequenino e o crescimento do PIB do primeiro trimestre de 2017 grande, toda a gente que criticava dá urras e proclama a virtude destas variáveis económicas.

Fiz uns cálculos básicos (ver as contas a vermelho no boneco abaixo*) para ver como tinham crescido o PIB e a dívida pública anualmente e depois, usando as estimativas do governo para 2017, tirei a média anual de 2016 e 2017 para poder comparar com 2015. De 2014 para 2015, a dívida pública cresceu 2,44% e o PIB 3,71% (em termos nominais).

Se a Geringonça conseguir cumprir o prometido em 2017, então, a dívida crescerá 1,56% e o PIB 2,99%; depois de, em 2016, crescerem 4,11% e 3,02%, respectivamente (estimativas, ainda). Em média, em 2016 e 2017, a dívida cresceu 2,83% e o PIB 3,01%, ou seja, aumentar o crescimento da dívida não resultou em nenhuma aceleração do crescimento do PIB, logo aumentar a dívida pública não gerou nenhum retorno para a economia.



Fonte: INE e cálculos meus

Por vezes, ouve-se as pessoas dizer que a economia portuguesa está estagnada, mas isto é incorrecto, pois o PIB real está estagnado, mas cada vez é necessário mais dívida para o manter estagnado, ou seja, Portugal está a empobrecer. A Geringonça não mudou isto, mesmo com o PIB a crescer 2,8% no primeiro trimestre de 2017, pois isto não compensa o fraco desempenho de 2016. Talvez em 2018, Portugal volte a estar como estava em 2015, o que significa que Portugal desperdiçou mais de dois anos.

*Note-se que são valores nominais, mas como a inflação acelerou desde 2015, não afecta o meu argumento.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.