quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Motivo de orgulho


Ao que consta, Guterres teve a aprovação dos 5 membros permanentes do Conselho de Segurança. A sua eleição para SG da ONU será, agora, um mero pro forma. Muitos, muitos parabéns. É indiscutivelmente um feito extraordinário, também para Portugal.

Adenda: como bem notou o LA-C na caixa de comentários, é mais correto dizer-se que os 5 membros permanentes não se opuseram.

12 comentários:

  1. Parece-me que António Guterres gosta de fazer coisas prejudiciais à sua saúde, a ver pela sua circunferência abdominal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acumulou muito! Achava que a acumulação era boa para a saúde ;)

      Eliminar
  2. Oxalá seja melhor SG da ONU do que foi 1.º ministro.
    Pelos vistos, já gosta de pântanos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não fui um fã de AG como PM. Aquela incapacidade de tomar decisões era aflitiva. No entanto, acho que o país foi demasiado injusto na avaliação ao desempenho do seu governo. Por exemplo, a despenalização do consumo das drogas é amplamente tida como um exemplo de sucesso mundial, e referida profusamente no país onde vivo. Há uns dias um diretor de onde trabalho veio-me mesmo perguntar como é que um país como Portugal tinha tido a força política e visão para fazer algo tão extraordinário, quando fez.

      Eliminar
    2. Caro Luís:
      Também reconheço que governou em condições difíceis, sempre sem maioria absoluta, num país que se dá ao luxo de desprezar os compromissos políticos - qualquer compromisso é sempre uma negociata (infelizmente alguns são).
      E num momento em que o «sucesso cavaquista» do deixem-nos trabalhar e fazer obra (betão por todo o lado, autoestradas em vez de caminhos-de-ferro, por exemplo) estava no auge.
      E ele parece que ainda quis fazer mais obra dessa.
      Repare no mapa de Portugal e na absurda rede de autoestradas no litoral, especialmente acima do Tejo.
      E nas carências das IP, boas estradas e muito mais baratas, quer a construir, quer a manter, que o interior do país tem.
      Em contrapartida, temos autoestradas completamente às moscas (A6 para Évora, A13 da Marateca a Santarém, A15, de Santarém a Óbidos, são tristes exemplos que conheço bem).
      A A13 e a A15 são uma verdadeira loucura: não sei bem se foram do tempo dele todas, acho que a de Évora, a A6, é cavaquista.
      Ele não foi capaz de enunciar um desígnio para o país que rompesse com o ciclo cavaquista das obras públicas (Expo98 / CCB / Autoestradas aos molhos, etc.)
      E rodeou-se de gente do calibre de Armando Vara como ministro, que tinha sido um simples caixa da CGD num balcão perto de Bragança.
      Foi demasiado frouxo e não soube traçar um desígnio para o país, como disse acima. Parece que evoluiu, já é capaz de traçar desígnios para o mundo como SG da ONU.
      Veremos o que será capaz de fazer.

      Eliminar
    3. A incapacidade de mudar o modelo economico de facto é algo a apontar a Guterres. Explica em boa parte porque é que estamos onde estamos.

      O mais grave na política do betão é, obviamente, o de canalizar recursos que seriam muito mais produtivos em outras aplicações. Mas o bizarro na política do betão em Portugal é que nem no que ao betão diz respeito ela funciona. Eu tenho feito viagens de lazer por Inglaterra e as estradas e auto-estradas, mais velhas e em menor quantidade, mas com qualidade aceitável, são todas gratuitas (só há um pequeno troço da M6 que permite poupar tempo e que é pago, mas é opcional, ou seja, se a pessoa se mantiver na auto-estrada "normal" não paga nada). Portanto, apesar do investimento massivo feito em auto-estradas, elas não estão efetivamente acessíveis para uma parte significativa da população.

      Eliminar
  3. Só uma correcção, do p5 teve 4 votos a favor e uma abstenção.

    ResponderEliminar
  4. isto uma semana depois de ter acabado com o casamento da angelina jolie com o brad pitt! ganda toni!

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos.