sábado, 11 de abril de 2020

Vamos lá ver...


Começo com esta expressão tão comum do nosso Primeiro Ministro porque foi a sua entrevista à LUSA, de que li excertos no Diário deNotícias de hoje, que me levou a, não perdendo o balanço destes últimos dias em que escrevi sobre a revolução que começou e vai continuar este ano com o ensino a distância nas nossas escolas, dizer mais sobre o assunto.

Que disse António Costa? Segundo a entrevistadora, ele afirmou que no próximo ano letivo haverá acesso universal dos alunos dos ensinos básico e secundário à Internet e a equipamentos informáticos, e, questionado se cada aluno vai ter um computador, respondeu: “É muito mais do que isso. É muito mais do que ter um computador ou um tablet. É ter isso e possuir acesso garantido à rede em condições de igualdade em todo o território nacional e em todos os contextos familiares, assim como as ferramentas pedagógicas adequadas para se poder trabalhar plenamente em qualquer circunstância com essas ferramentas digitais".


Ora bem. Com essa afirmação, o Primeiro Ministro prometeu as bases para que se possa iniciar, de facto, uma revolução na educação e ensino em Portugal aproximando-nos de padrões que já existem noutros países e com os quais não podemos competir precisamente porque nos faltam os alicerces para a construção de uma realidade diferente.  O que se passou agora por causa do Covid-19 empurrou os decisores para uma educação a distância para a qual poucos estavam preparados, mas mesmo os que estavam tinham obstáculos, dentro e fora dos estabelecimentos, porque regra geral não dispunham de condições para ter completo êxito.

Por muito que louvemos a maneira como se conseguiu, apesar de tudo, pôr em execução um programa “de salvação” do ano escolar, convenhamos que o que aconteceu e vai continuar a acontecer nas próximas semanas é um arremedo de educação a distância. Ninguém estará convencido que se está em presença de uma solução para repetir, ainda que eu vá seguir com atenção o desenrolar desta verdadeira experiência.

O importante, porém – e aí está o relevo que dou às palavras do Primeiro Ministro – é que parece que o Ministério da Educação terá entendido considerar vital desenvolver a utilização das tecnologias nos seus programas. Ninguém quer acabar com o ensino presencial, creio eu. O que se quer é que os professores e alunos tenham a possibilidade de ter as tecnologias operacionais para, sempre que necessário, as utilizem no desenvolvimento do currículo.

Normalmente, tenho grande compreensão quando as promessas de governantes não são cumpridas. Mas, senhor Primeiro Ministro, se isso acontecer com esta, não lhe vou perdoar.

Vamos lá ver!

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.