domingo, 18 de fevereiro de 2024

Probabilidades condicionais

Tanto nos EUA como em Portugal devia-se falar mais de probabilidades condicionais em vez de probabilidades simples no que diz respeito às eleições.

Se, nos EUA, o objectivo é eliminar Trump, a estratégia que tem maior probabilidade de o eliminar é votar em Nikki Haley porque é mais fácil eliminá-lo nas primárias, quando menos gente vota, do que nas eleições de Novembro. Que haja pessoas que desperdicem o seu voto em Biden quando ele já tem vitória garantida é irracional e contra-produtivo.

Em Portugal, se o objectivo é minimizar o risco do Chega ir para o governo, então faria sentido a malta de Esquerda votar na AD porque é o partido que, segundo as sondagens, tem mais facilidade em chegar a uma maioria. Só que há pessoal de Esquerda que acha que fica com a consciência tranquila votando nos partidos minoritários da Esquerda, o que não adianta absolutamente nada para criar uma maioria de Esquerda e não reduz o risco do Chega.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2024

Geringonça 2.0

O governador do Illinois, J.S. Pritzker, discursou na cerimónia de final de curso da Northwestern University no ano passado. Foi uma participação bastante bem humorada, em que alertou os recém-graduados para a necessidade de aprender a navegar um mundo em que pessoas idiotas podem ser bastante espertas, tão espertas que chegam a patrões e presidentes. Como é que ele identifica idiotas? Procurando as pessoas que agem sem empatia e compaixão, dado que ambas essas qualidades necessitam que se desligue os instintos pré-históricos, os que nos fazem desconfiar de pessoas que não pertencem à nossa tribo. Por esta métrica, as sociedades mais evoluídas são aquelas em que as pessoas têm confiança suficiente para não verem os outros como uma ameaça.

Tenho andado a pensar nisto no contexto do Chega. Não me identifico de todo com o discurso, aliás até acho que têm um discurso anti-Rita; no entanto, não os vejo como uma ameaça. Devo estar na minoria, pois no debate público tem-se dedicado bastante atenção à questão de o Chega poder chegar a governo e se os partidos deveriam assumir previamente que não fariam uma coligação com o Chega. Acho essa expectativa anti-democrática por várias razões.

Em Democracia, a solução votada não agradará a todos, logo não é nenhuma avaria que haja idiotas que cheguem ao governo, parafraseando o Pritzker. Depois, o problema não é tanto que as pessoas votem em idiotas, mas que haja pessoas que votam sempre nos mesmos, ou seja, deixam o caminho aberto para um número baixo de pessoas decidirem o resultado--quem muda o voto acaba por ter mais poder do que quem vota sempre nos mesmos. Há ainda a considerar que, em Portugal, o risco da extrema Direita está controlado porque a Esquerda é bastante eficaz como oposição; curiosamente, a Direita portuguesa não sabe fazer oposição. Finalmente, dado o alto nível de abstenção e a ineficácia da República Portuguesa em facilitar o voto, o que em si é anti-democrático, é-o ainda mais ignorar parte da vontade do eleitorado.

Ou seja, se o Chega tiver votos suficientes para ajudar a formar Governo, quero acreditar que a sociedade portuguesa saiba lidar com estes idiotas democraticamente. E até nem me admiraria que o Chega chegasse ao Governo via PS e o os idiotas do PS dissessem que a Geringonça 2.0 era necessária para controlar a Extrema Direita.

sábado, 10 de fevereiro de 2024

Proposta 351

Hoje enviaram-me umas das propostas do Chega para as eleições, a 351 que diz "Combater a zoofilia e fazer um diagnóstico desta prática em Portugal". Não percebi o que poderia haver de errado com a zoofilia, logo fiz uma procura no Google. De repente, só vejo páginas de pornografia dedicada à bestialidade--ah, essa zoofilia! Será mesmo que o Chega está interessado em regular a bestialidade, parece-me tão aleatório, tipo, "então como é que vamos gerar crescimento em Portugal? Obviamente, limitando o sexo com animais."

Não devo ter compreendido bem, pensei para comigo, logo decidi ir ao dicionário da Priberam para ver exactamente o que me escapava na língua portuguesa. Pois, como eu suspeitava, as definições 1 e 2 não me pareceram nada de mal, dizem que se refere ao amor aos animais, ser amigo dos animais, coisa de franciscanos, portanto. Se calhar, é isso, o Chega quer expulsar os devotos de S. Francisco.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2024

É mesmo querida!

Com uns mesinhos de atraso, finalmente tive o meu check-up médico anual hoje. Dado que já estou acima do meio século, achei por bem levar uma lista de tópicos a discutir como mudanças hormonais, deficiências ou absorção inadequada de nutrientes, vacina de Covid, colonoscopia, ecografia em vez de mamografia por causa do despiste de cancro da mama, teste de diabetes tipo II, etc. No entanto, nada se passa comigo, sinto-me bem, mas as análises estão feitas e os exames encomendados.

Quanto à vacina de Covid, que não tomei no ano passado, ela deixou ao meu critério, mas não acha essencial. A gripe este ano foi mais severa em termos de sintomas do que o Covid, informou-me. Falámos do meu peso, mas a nurse practicioner (gosto muito dela) acha que estou óptima e que o resto de Memphis é que está um horror. Acredito. Quanto às hormonas, sinto mesmo que algo está a mudar porque estou a ficar mais paciente e importo-me menos com as coisas, o que dá jeito.

A última vez que me exaltei, ou talvez tenha perdido a paciência, foi a propósito de um role de queixinhas acerca de Portugal por causa de haver tantos imigrantes. Apetecia-me dar uma estalada ao Ventura porque é uma das fontes das queixinhas. Eu sou emigrante relativamente a Portugal, mas nos EUA sou imigrante, logo não me é difícil imaginar que estão a dizer mal de pessoas como eu -- chama-se empatia. Há também uma enorme hipocrisia, ou chamar-lhe pura estupidez seja mais adequado, porque os portugueses, que são autenticas ervas daninhas migratórias há mais de cinco séculos, não têm autoridade moral para criticar imigrantes ao mesmo tempo que se auto-elogiam como conquistadores e disseminadores da civilização! Pronto, já desci do caixote do sabão...

Daqui a um mês, eu, imigrante e cidadã naturalizada vou votar no meu país de acolhimento, mas como ainda não fui a Washington, D.C., regularizar os documentos portugueses não posso votar nas eleições de Portugal. Agora que Portugal está em eleições e, sabendo-se que a participação no processo democrático está em declínio, pensei que a questão de facilitar o acesso a documentos e o voto emigrante fosse uma das questões mais importantes da plataforma eleitoral de algum partido, mas enganei-me. Ninguém quer saber; nem o MRS, suposto génio, se interessa. Parece-me que o papel de MRS na democracia portuguesa é mais higiénico do que genial: desintegra-se facilmente -- basta juntar água e meter água é o que não falta.

Não sei se é por estarmos a viver a história em vez de a aprendermos de livros, mas há quase um consenso de que a democracia americana já não é o que era e eu até acrescento que se aportuguesou. Quem diria que tanta gente ainda fosse fã Trumpeta e nem vergonha tenha de o assumir? E os fãs de Biden também são censuráveis -- declaração de interesses: eu votei Biden porque na altura era o mais sensato pois ele assumiu-se como um presidente de transição. Biden e Trump já são conhecidos como presidente, o que torna bastante curioso que sejam tão populares, pois se há coisa que os americanos gostam é de mudança. E eu, portuguesa degenerada, mas americana bem formada, vou votar Nikki Haley nas primárias. Mesmo que fosse pró-Biden, votar Biden nas primárias é um desperdício do voto.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2024

DALL-E e a curva da procura

Pedi uma curva da procura e recebi a imagem abaixo, com a mensagem "The image has been created with a standard economic demand curve that slopes downward from the top left to the bottom right." A imagem, infelizmente, não corresponde à descrição. Não sei se nas categorias de Zvi Mowshowitz estaria em  "Fun With Image Generation", "The Lighter Side" ou "Language Models Don't Offer Mundane Utility". De qualquer modo, as capacidades destes modelos são impressionantes. Possivelmente o problema é eu não dominar "the art of the prompt".

 


sexta-feira, 19 de janeiro de 2024

Eleições hilariantes

Sem dúvida que 2024 nos irá regalar com uma fartura de anedotas eleitorais, tanto aqui como aí. Esta semana que passou é prova disso. No Iowa, o Trump foi o candidato mais votado no caucaso do Partido Republicano, que se realizou na Segunda-feira, feriado federal em que se celebra Martin Luther King, Jr. Terça de manhã, a bolsa no vermelho, e o indice do dólar a apreciar.

Entretanto, também esta semana, calhou apanhar um vídeo do André Ventura que alguém postou no Facebook, no qual ele apontava para uns papeis colados a uma parede e dizia que se o Chega for eleito para governar, iriam terminar os apoios de causas da Esquerda, como o dinheiro gasto em promover a identidade de género, etc. É a mesma campanha que o PS usou em 2015: ia poupar dinheiro cortando gorduras e isso ia gerar crescimento. Para o Chega, as causas da Esquerda são as gorduras da Direita mais à direita, logo merecem ser cativadas. Resta a dúvida se já não o foram pelo PS.

Como não há duas sem três, ontem vi que Pedro Nuno Santos decidiu adoptar o lema do Trump para a sua campanha eleitoral. Votem PS para fazer Portugal "grande outra vez". Se havia alguma dúvida que PNS é outro líder idiota socialista, esta ficou completamente dissipada. Mas vocês sabem que me dá imenso prazer ver o pessoal socialista, que gozava tanto com o Trump e os americanos, adoptar o lema do Trump. Também é engraçado pensar no que considera PNS o período grande de Portugal porque parece que não é o período do governo de António Costa. Talvez seja o de Passos.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2024

Falta de noção

Finalmente, chegou a moda de se designar os empregados das empresas como talento. Agora em vez de se falar em fuga de cérebros fala-se em fuga de talento. E para se encontrar talento devia-se contactar uma empresa de recrutamento, como na América, que é o país que inventa este tipo de coisas. A solução para a fuga de talento é, na opinião de Soledade Carvalho Duarte, que se modifiquem as políticas fiscais e salariais.

Apesar da alta carga fiscal, a decisão de praticar salários baixos é essencialmente das empresas e não me parece que possa ser alterada por decreto. Aliás, o salário mínimo que é alterado por decreto, é relativamente alto quando comparado com o salário médio e não parece ter tido grande efeito no desaceleramento da fuga de talento. Faria sentido haver uma reforma fiscal que simplificasse o sistema, mas é das tais coisas em que o cão ladra mas não morde, pois os portugueses já sabem como manipular a situação e falam, falam, mas não querem mudança. Afinal o PS governa desde 2015 e mesmo que nas próximas eleições ganhe outro partido, é quase certo que só dura um mandato, se isso.

De qualquer das formas, o poder político reage às modas e, antes do PM Costa se demitir, o PS falou em devolver um ano de propinas, que representa 697 euros por ano, por cada ano que um licenciado trabalhasse em Portugal. Em princípio esta política não devia ter efeito prático porque facilmente se consegue um salário mais alto no estrangeiro que cubra este valor, que afinal representa 58 euros por mês. E quem não consegue um salário melhor no estrangeiro não ia emigrar de qualquer forma, logo não faz sentido o estado pagar a quem não ia emigrar. E se vai pagar a alguém, não é socialmente justo pagar aos licenciados a quem já pagou a maior parte da licenciatura--é que as propinas não representam o custo total da educação recebida.

No essencial, não há qualquer noção de como tirar o país do percurso não sustentável em que segue; mas retornando à questão de recrutar talento, há uns largos anos calhou um "head hunter" recrutar-me para um emprego. Como ele estava em início de actividade foi bastante transparente comigo e disse-me que a empresa lhe tinha pagado $40 mil por me ter encontrado. Duvido que haja uma única empresa em Portugal que consiga pagar este tipo de dinheiro só para encontrar um empregado, ou seja, Portugal não oferece qualquer competição na retenção de talento face ao estrangeiro.

quinta-feira, 4 de janeiro de 2024

O castigado

No dia de Ano Novo, uma amiga minha convidou-me para ir a casa dela fazer-lhe sopa e ajudá-la com um puzzle muito difícil que ela tinha recebido do marido. Não me estava a apetecer sair de casa, mas lá fui e passei pela loja para comprar os ingredientes. Enquanto descascava a batata doce, ela recebe um telefonema e lá explica a quem estava do outro lado da linha que eu era de Portugal e lhe estava a fazer sopa.

A parte que suscita mais espanto é a utilização da varinha mágica--ela tem uma varinha mágica porque há mais de 10 anos quando estava doente, fui lá a casa e fiz-lhe sopa, mas levei a minha panela, a varinha mágica, e as minhas facas porque não sabia como a casa dela estava equipada. Depois disso ela comprou uma varinha mágica, que só eu uso porque ela tem medo de a usar.

Quando desligou o telefone, exlicou-me que estava a falar com um rapaz que estava na prisão. Quando ela me disse que ele era CFO, presumi que o crime tivesse a ver com dinheiro, mas não. Ele concordou ser condenado a 5 anos de prisão, sem possibilidade de sair antes do termo, por ter enviado pornografia que encontrou na Internet a um jovem de 17 anos. É considerado agora um predador sexual; antes de ser libertado, tem de dar a sua identificação à polícia da zona onde vai residir, não pode votar para o resto da vida, nem pode viver perto de escolas ou de sítios onde haja crianças, como parques e jardins infantis. Ou seja, estragou completamente a sua vida.

Sugeri que ela lhe dissesse para ele emigrar para a Europa depois de sair da prisão. E se for para Portugal, decerto que algum representante da Igreja Católica lhe dará a benção.

quarta-feira, 20 de dezembro de 2023

Retrocesso e progresso

A propósito da nova exigência de ter um cartão associado às contas bancárias em Portugal para se poder efectuar pagamento de serviços, recebi hoje um telefonema da minha gerente de conta do Novo Banco. Fiquei feliz porque é mulher e o meu primeiro gerente era homem, logo o rácio 50% que o PM Costinha queria implementar foi concretizado, apesar de a empresa ser privada. Pena o PS não conseguir arranjar uma mulher que consiga liderar a malta socialista.

Então o telefonema foi acerca de eu ter pedido um cartão de débito, que já me foi enviado, só que enviaram para a minha morada no Texas porque ainda não tinham processado o pedido de alteração de morada que tinha feito mais de um mês antes, quando aí estive. Para que não andasse um cartão de débito com o meu nome à solta no Texas tivemos de activar o cartão e depois cancelá-lo para eu poder pedir um cartão novo, dado que a minha morada já está regularizada. Pelo sim, pelo não, enviei dinheiro a mais este mês para pagar a minha parte da mensalidade dos cuidados do meu pai porque calculei que algo podia correr mal que comprometesse o uso da conta em Janeiro para efectuar o pagamento. Já sabem que eu sofro de ansiedade...

Aproveitei para dizer à minha gerente que achava o preço da minha conta muito caro (€60 por ano), mas ela disse-me que não há contas grátis--é como os almoços. Na minha ideia, se pago tanto por uma conta e se me dou ao trabalho de me deslocar a uma agência para mudar a morada, altura em que apresento os documentos com a morada nova e comprovo a minha identidade junto de uma pessoa física, a morada devia ser alterada imediatamente no sistema ou, pelo menos, entrar em vigor no dia seguinte, depois do sistema fazer a sua actualização diária. Não faz sentido esperar um mês para efectuar a mudança. Quando se fala em produtividade baixa em Portugal, isto é um bom exemplo.

Entretanto, nas minhas contas americanas, é tudo bipolar: ou muito pouco ou muito sofisticado. Por exemplo, para fazer pagamentos de serviços acontece frequentemente o banco não conseguir fazer transferência directa para o prestador e então dizem que vão ter de enviar um cheque pelo correio. A sério que nós ainda usamos cheques. E quem paga o selo é o banco, que não me cobra nada nem da transação, nem sequer pago custos de manutenção da conta, dado que tenho pelo menos um depósito mensal.

Na minha conta à ordem do Capital One até processam o meu salário assim que recebem a ordem de depósito, logo fico com o dinheiro disponível na conta um a dois dias antes do normal: dizem que é para minha conveniência. E pagam 4,3% de juros ao ano na conta a prazo. Como não há balcões da Capital One em Memphis, trato tudo pelo telefone ou pela Internet. Reparei há dias que também dá para fazer associar contas em outros bancos à minha conta de forma a que eu possa transferir dinheiro facilmente e sem pagar nada.

As mudanças mais sofisticadas aconteceram porque os bancos normais viram que estavam a perder negócio para as aplicações digitais como a Venmo, a CashApp, a Paypal, etc. Por exemplo, o senhor que corta a minha relva nem conta bancária tem e recebe o pagamento via PayPal; para aceder aos fundos tem um cartão de débito da PayPal. A manicurista também recebe pela PayPal e a minha cabeleireira recebe por Zelle. Duvido que os americanos larguem os cheques num futuro próximo. O mote deles é "if it ain't broke, don't fix it."

quinta-feira, 7 de dezembro de 2023

Pensamentos avulsos

  1. Hoje, quando vi uma foto de Pedro Nuno Santos ao lado de outra de José Luís Carneiro, acendeu-se uma lâmpada no meu cérebro: os portugueses não gostam de votar em homens com barba. Aliás, nunca houve nenhum Primeiro-Ministro ou Presidente da República barbudo. Lembram-se de quando Marcelo tinha barba? A única coisa que ganhou foi a liderança do PSD e perdeu a corrida a Presidente da Câmara de Lisboa. Ou seja, PNS pode ganhar a liderança do PS, mas não penso que irá muito mais longe.

    Pelos meus cálculos, André Ventura barbudo também não irá muito mais longe na política nacional: talvez consiga ser ministro de alguma coisa, mas mais do que isso é difícil. Claro que seria muito mais gratificante derrotá-lo em termos das ideias idiotas com que se decide projectar, mas quem não tem cão caça com gato e eu não sou esquisita.

  2. Por falar em eleições, Trump anunciou que iria ser um ditador desde o primeiro dia, caso ganhasse as eleições. Como se nós já não contássemos com uma vingançazita. Entretanto, bastantes republicanos estão interessados em que a Nikki Haley progrida nas primárias e que Chris Christie desista da corrida. Seria curioso ver se ela conseguia derrotar Trump. Também seria bom ter outra mulher candidata à Presidência.

    Note-se que Trump tem um ponto fraco: a sua guerra comercial com a China causou uma descida forte do preço das commodities agrícolas e houve bastante incerteza durante esse período, para além de perdas monetárias com a perda de volume exportado para a China. Como a maior parte do seu eleitorado está em zonas rurais, também seria interessante ver se os agicultores, sabendo agora do que a casa gasta, o iriam apoiar outra vez nas urnas.

  3. Ainda o Kissinger. Tentei ler o obituário dele no NYT e aquilo é super-comprido -- não sei se cheguei perto do fim, quando decidi adiar o exercício. Nele até se citava o Presidente Obama na revista The Atlantic:
    President Barack Obama, who was 7 years old when Mr. Kissinger first took office, was less enamored of him. Mr. Obama noted toward the end of his presidency that he had spent much of his tenure trying to repair the world that Mr. Kissinger left. He saw Mr. Kissinger’s failures as a cautionary tale.

    “We dropped more ordnance on Cambodia and Laos than on Europe in World War II,” Mr. Obama said in an interview with The Atlantic in 2016, “and yet, ultimately, Nixon withdrew, Kissinger went to Paris, and all we left behind was chaos, slaughter and authoritarian governments that finally, over time, have emerged from that hell.”

    ~ NYT, 29/11/2023

    É uma ideia simpática achar que todo o mal que os EUA fizeram se deveu apenas à proximidade de Kissinger dos vários governos americanos, mas os americanos não precisaram de Kissinger para lançar duas bombas atómicas, por exemplo, ou para invadir o Iraque. Ou seja, não há grande garantia que, se não existisse, as coisas teriam sido bem melhores. Pelo contrário, veja-se o papel de Kissinger no desenvolvimento da China. Quantas vidas não salvou e quantas pessoas não saíram da pobreza?

    O legado de Kissinger é complexo e não pode ser caracterizado de positivo ou negativo porque foi ambas as coisas, mas não se pode negar que o homem se interessava por estudar o mundo e tinha uma visão multicultural, para além de ter sido um intelectual a sério.

terça-feira, 5 de dezembro de 2023

Serviço público

No dia 28 de Novembro, recebi um email do Novo Banco a indicar que, como não tenho um cartão de crédito ou de débito associado à minha conta, a partir de 19 de Dezembro não vou poder fazer transferências da minha conta que sejam agendadas pela página de Internet do Novo Banco e em 28 de Dezembro acontecerá o mesmo às transações agendadas por via da app. Para transferir dinheiro, é necessário ter um cartão "associado" à conta. Enviei um email ao banco a pedir esclarecimentos na Sexta-feira, mas ainda não recebi resposta. Hoje tentei agendar uma reunião com o banco, mas não aceitam números de telefone americanos no formulário da app, apesar de a minha morada ser americana. Aliás, eu abri a minha conta nos EUA, na época em que o BES tinha escritórios aqui. Desde então o serviço deteriorou bastante, apesar das novas tecnologias de informação.

Diz o Novo Banco que esta mudança é devida a "questões regulamentares", o que remete a culpa para o Banco de Portugal. Alguém pergunte ao Centeno se faz sentido obrigar os clientes de bancos a ter cartões bancários para efectuar transferências, dado que um cartão não é garantia de nada e frequentemente representa um custo para o utilizador. Para além disso, um cartão bancário aumenta a probabilidade que a pessoa seja roubada. Utilizar um cartão de débito não é seguro porque pode ser duplicado; quanto aos cartões de crédito também podem ser roubados. Depois, os bancos estão a fazer tanto dinheiro em juros e custos de transacção que o regulador devia estar mais preocupado com os consumidores do que em promover os produtos dos bancos.

Para quem reside fora de Portugal, ainda faz menos sentido esta restrição, dada a dificuldade em se mudar a nossa morada. Por exemplo, quando estive em Portugal no mês passado fui ao Novo Banco mudar a minha morada, que já estava obsoleta há mais de cinco anos. Porquê só agora? Porque para mudar era preciso um comprovativo oficial de morada fiscal, só que sendo eu emigrante, a minha morada fiscal é a morada do meu procurador fiscal.

Quando cheguei ao banco, a senhora que estava ao balcão da frente pediu-me o tal do comprovativo oficial de morada e quando eu disse que morava nos EUA, ela presumiu (erradamente) que os americanos também emitiam comprovativos oficiais de morada via um inexistente Portal das Finanças americano. Mostrei a minha carta de condução americana e lá mudaram, mas ela ainda me disse que não sabia se seria suficiente porque não era um comprovativo oficial de morada. O Guterres, o Sócrates, o Costa não chegaram a Primeiro Ministro prometendo maior simplidade burocrática?

Adiante, a razão de eu não ter cartão de débito é fácil de comprender: foi enviado para a minha morada antiga no Texas, logo nunca foi activado e nunca apareceu na minha conta do banco, logo cancelei porque estava farta de pagar por um cartão que eu não tinha. Só que com esta mudança, tive de pedir um cartão de débito na semana passada -- aqui entre nós, acham que o dito tem tempo de chegar aos EUA antes de 19 de Dezembro e de ser activado? É que todos os meses tenho de pagar a conta dos cuidados do meu pai num lar de terceira idade e não sei se deva enviar dinheiro a mais em Dezembro caso não consiga em Janeiro. Convinha isto ficar esclarecido antes porque senão desisto de pagar com o Novo Banco e começo a pagar via Wise, ou coisa que o valha.

Entretanto, hoje comecei a perguntar aos meus amigos portugueses se tinham conhecimento destas mudanças: um que está nos EUA e vai frequentemente a Portugal não sabia de nada; os que estão em Portugal têm uma vaga ideia, mas nem sabem se as suas contas à ordem estão associadas a um cartão para que as transações não sejam canceladas. Não tenho visto nenhuma discussão na Comunicação Social de uma mudança que me parece bastante problemática. Quando entrar em vigor, veremos as consequências.

quinta-feira, 30 de novembro de 2023

Um período grave

Bem sei que, ultimamente, não me tem dado para escrever, ou melhor, escrevo imenso na minha cabeça, mas depois não chego a executar o acto. Tenho tido alguma consistência a escrever para a minha vizinha, talvez uma ou duas vezes por mês, apesar de, ultimamente, com as viagens e o ritmo de trabalho, as missivas se terem espaçado. Hoje apeteceu-me vir aqui e não por uma razão apenas.

Há umas semanas, fiquei incrédula quando vi que há quem ache que a demissão de António Costa representa algum tipo de golpe judicial, como se ele tivesse sido forçado a demitir-se. Tenho uma opinião completamente contrária, pois o governo PS já teve bastantes escandâlos em que a demissão de António Costa era o mínimo esperado e, como nas outras vezes não se demitiu, é surpreendente que o tenha feito. Ou seja, o seu comportamente passado não dá credibilidade à ideia de que ele não tinha outra hipótese. Para mim é evidente que ele pretere os interesses do país aos próprios e do partido, logo a sua demissão deve ter sido motivada por algo que desconhecemos.

Galamba finalmente demitiu-se para que, logo a seguir, na Comunicação Social aparecessem conjecturas acerca da possibilidade de Pedro Nuno Santos o poder salvar. É como se alguém atirasse barro à parede para tirar a temperatura dos ânimos. Como é que alguém do calibre de Galamba chega onde está e lá fica tanto tempo, sem que sequer tenha o benefício da nossa ignorância acerca da sua incompetência? Podia-se invocar a lei dos grandes números, mas, num país tão pequeno, onde o PS já governa há tantos anos, talvez se deva cunhar a lei do pequeno número de amigos. Só que um Primeiro Ministro não pode ter amigos, dizia António Costa para se distanciar da pocilga política que criou. Fica a nota para quem vier a seguir.

Aqui na minha parte do mundo, as coisas estão curiosas. Os Democratas acham que a questão do aborto lhes dá apoio político, mas no meu caso--e note-se que eu não sou uma pessoa representativa do eleitorado americano--retira-lhes apoio. Como já aqui escrevi, sinto que a questão do aborto faz de nós mulheres reféns políticos, especialmente pelo partido Democrata. Não há nenhum assunto pertinente ao corpo dos homens que seja tão contencioso como a questão do aborto para as mulheres, logo a ideia da igualdade entre homens e mulheres está cada vez mais no reino da utopia.

Talvez num futuro próximo no qual a gestão de bebés possa ser feita fora do corpo das mulheres, o debate mude de figura, mas não sou tão optimista. O que penso estar a acontecer é uma reversão à média e, se formos a ver, historicamente, as mulheres nunca usufruiram verdadeiramente de igualdade e os períodos em que tiveram mais direitos nunca duraram muito.

Neste contexto, votar Democrata não ajuda as mulheres porque dá-se uma cheque em branco aos Democratas que eles usam noutros assuntos que não o do avanço das mulheres na sociedade. Depois há o facto curioso de a sociedade americana se tornar muito mais activa no sentido de preservar direitos quando os Republicanos estão na Presidência. Esta curiosidade não é única daqui porque, em Portugal, os governos de Direita também têm maior resistência da sociedade portuguesa do que os governos de Esquerda. Talvez a malta da Esquerda saiba resistir melhor do que os de Direita.

Finalmente, há a questão Israel-Gaza/Palestina. Neste conflito, a maior parte das vítimas são mulheres e crianças e os Estados Unidos não têm qualquer problema em enviar armas a Israel sem exigir que se salvaguardem as convenções internacionais que regem conflitos e os direitos humanos. Se Trump se comportasse assim, os americanos sairiam à rua. Há muitas mulheres americanas que estão contra Biden neste conflito, ou seja, o melhor dos cenários para os Democratas é Biden morrer antes das eleições. Se ele for a votos, perde com certeza mesmo contra Trump.

Enquanto escrevia este post, saiu a notícia de que Henry Kissinger morreu aos 100 anos. Pode-se não gostar do homem, mas tinha um calibre intelectual que hoje em dia raramente se encontra; se quiserem ler o seu pensamento, têm acesso a algumas entrevistas dele aqui. Em 2018, Kinssinger dizia ao FT "We are in a very, very grave period." Ainda estamos.

segunda-feira, 13 de novembro de 2023

Decepcionante

Estou extremamente decepcionada com os comentadores portugueses. Ainda não vi ninguém perguntar o porquê de António Costa salvar a todo o custo o pêlo do Galamba. Se fosse nos EUA já alguém teria especulado que Galamba deve saber algo acerca de António Costa que António Costa não quer que venha a público, ou seja, Costa deve estar a ser alvo de chantagem. É a única explicação lógica para António Costa não ter demitido Galamba. E MRS "a vê-los passar", completamente impotente por vontade própria.

domingo, 12 de novembro de 2023

Indefinidamente

No discurso de hoje, António Costa pinta-se de vítima--não viu nada, como de costume, mas quando foi confrontado com o que supostamente não tinha visto também não agiu: não demitiu imediatamente Galamba, que carrega às costas como se a sua vida dependesse disso, em vez de salvaguardar a reputação da República. Depois anda em negociações com o PR para escolher o seu substituto, e acha que Centeno é o melhor candidato. Centeno, como de costume, presta-se ao serviço necessário para manter o PS no poder.

Nada do que se tem passado em Portugal nos últimos dias abona a favor de Portugal ser considerado uma democracia. Se Costa se demite e a demissão é aceite pelo PR, mas Costa continua em funções, então Costa não se demitiu. Se há uma demissão e, como o LA-C refere, não há um protocolo de continuidade de governação que é observado, então todo este teatro não faz qualquer sentido.

A não ser que o plano seja António Costa começar a distanciar-se do governo para se candidatar a Belém e Centeno seja visto como a melhor hipótese de manter o PS no poder por mais uns bons tempos. Que o PS não sai do poder já era um dado adquirido, dado que o PS não precisa de maioria para governar indefinidamente.

segunda-feira, 16 de outubro de 2023

Piada à americana

Na semana passada, fui a Singapura em trabalho e tive oportunidade de assistir a uma conferência em que um dos oradores tentava iserir algum humor no seu tópico, numa altura em que o humor está a preço de saldo, dados os acontecimentos de Israel e Gaza. Dizia ele, a propósito do ano que vem, que as perspectivas não estavam muito animadoras porque nas próximas eleições 40% do eleitorado vota Biden, 36% vota Trump e 80% preferia não votar em nenhum dos dois.

Conversei, no dia seguinte, com um dos meus conhecidos que é republicano, mas detesta Trump e não votou nele, que se questionava como é que num país de 350 milhões (eu corrigi-o e disse-lhe que era mais próximo de 330, mas a estimativa mais recente é 335,6), estes dois candidatos são o melhor que se pode arranjar. Exacto, exacto, é essa mesmo a pergunta que faço, respondi-lhe, acrescentando que não entendia como é que os Democratas que eram tão Democratas não arranjavam uma candidata mulher. Ele dizia-me que até não se importaria de votar na Nikki Haley e eu também não, se a alternativa fosse Biden.

Entretanto, após o meu regresso às terras do Tio Sam, liguei a rede do telemóvel mesmo a tempo de apanhar a reacção das minhas amigas americanas (e democratas) a um discurso de Biden. Estavam todas encantadas, que sorte termos o Tio Biden como presidente. Eu não respondi, aliás deixei de participar na conversa porque acho completamente estéril. Os apoiantes de Biden desligaram o cérebro e estão tão cegos como os de Trump e nem uns nem outros reconhecem que a política externa de um e outro é mais parecida do que diferente: uma América isolada, com o resto do mundo às turras entre si e sem nenhuma orientação.

Há uma facção alargada de pessoas que acha que o imperialismo americano é indesejável e muitas vezes violento, com os EUA a meterem-se onde não devem; mas a alternativa também não é pacífica e uma política isolacionista americana é desestabilizadora. E ainda vai ficar pior: os americanos estão a gastar a Reserva Estratégica de Petróleo, umas das ferramentas que lhes permitia gerir o preço internacional de petróleo e que permitiu várias décadas de preços estáveis e relativa paz.

A ideia americana é ser menos dependente de conbustíveis fósseis dentro de poucos anos, com incentivos a que a frota automóvel passe a ser eléctrica, mas uma política destas combinada com políticas nacionalistas prejudica quem é mais pobre. As barreiras ao comércio internacional são cada vez maiores, o que contribui para subidas de preços, e a inflação cria incentivos a políticas ainda mais nacionalistas.

Finalmente, há o aspecto humanitário, talvez o mais importante. Se continuarmos a deixar que estas agressões proliferem, um conflito maior é quase inevitável -- para lá caminhamos, quem dera que fosse piada.