quinta-feira, 5 de abril de 2018

O primeiro (e provavelmente último) Quizz da Destreza!!!

É com muito prazer e preguiça que mais uma vez demonstro o porquê de ser o membro mais novo (e menos activo) deste blog, desta vez com uma iniciativa plena de originalidade, informação e, acima de tudoo resto, estupidez!

Senhores e senhoras, meninos e meninas, comunas e fascistas, o primeiro (e talvez último):

QUIZZ DA DESTREZA

O jogo é simples e funciona da seguinte forma: Vão ser apresentadas quatro citações, para as quais o leitor tem que escolher uma de duas opções relativas à sua autoria. Se acertar todas (ou se pelo menos tiver pachorra para chegar ao fim deste post - hey, fazer scroll down não vale!), terá acesso a uma conclusão sobre o futuro governativo do nosso estimado país à beira mar plantado de fazer inveja ao professor Karamba e capaz de rivalizar em grau de fiabilidade com as projecções dos resultados das eleições americanas de 2016 ou o mais recent post no facebook da Maya! Aqui vamos:


Declaração Número Um:


"Por razões profissionais, por compromissos que assumi, não tenho disponibilidade para o que essas funções exigem."

Opção A): Durão Barroso, aquando do convite para se tornar o presidente da Comissão Europeia em 2014.
Opção B): Fernando Alexandre, em entrevista ao Observador em 2018, sobre a possibilidade de fazer parte do grupo de “porta-vozes” ou “coordenadores” temáticos de Rui Rio.


Declaração Número Dois:


"E em Portugal valoriza-se pouco o conhecimento. Valoriza-se os títulos, sejam reais ou inventados."

Opção A): José Socrates, em 2007, quando questionado sobre a validade da sua licenciatura.

Opção B): Resposta de um professor associado da Universidade do Minho a um entrevistador do Observador em 2018.


Declaração Número Três


"Acho errado que se diga que não há aumentos dos salários dos funcionários públicos. É preciso explicar isso."

Opção A): Pedro Passos Coelho, em 2013, quando questionado sobre a continuidade das medidas de austeridade.


Opção B): Um dos co-autores da Destreza, ao ser entrevistado pelo Observador este ano.



Declaração Número Quatro


"Na Função Pública (...) os funcionários têm de ter aumentos se a economia crescer"

Opção A): António Costa, aquando do anúncio do aumento dos salários da função pública no início de 2018 no seguimento da trajectória positiva da economia portuguesa.

Opção B): O meu professor de macro do segundo ano da licenciatura, numa entrevista ao Observador no outro dia, que só tive tempo para ler hoje.



Se escolheu a opção A) em todas as declarações, lamento informa-lo que sofre de uma patologia grave de nome técnico "viver no mundo da lua". Se respondeu B) a todas elas, no entanto, deve neste momento finalmente perceber porque é que a atitude financeira mais sensata a tomar neste momento é apostar todas as suas poupanças em como o Fernando Alexandre nunca mais na vida põe os pés no governo. You heard it here first folks. De nada!

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.