domingo, 16 de setembro de 2018

Que cruz!

Quem estudou economia sabe que há um gràficozinho das curvas da procura e da oferta em que ambas se cruzam. O preço de equilíbrio é o ponto onde se cruzam, mas note-se que este ponto não é um de satisfação universal, pois há sempre -- sempre, mesmo! -- compradores que acham que o preço acima do de equilíbrio é demasiado elevado e vendedores que o acham demasiado baixo e esta malta não participa no mercado, quer dizer, nem compram, nem vendem. O preço age como um mecanismo de racionamento da procura, mas não é imoral que nem toda a gente compre. Vocês acham imoral ir à loja e sair de lá sem comprar nada?

Estou a falar nisto por causa da chamada "taxa Robles" e da discussão que se seguiu que é caracterizada por dois extremos: (1) fazer dinheiro é mau, logo meta-se um imposto para retirar o incentivo monetário, e (2) implementar uma "taxa Robles", i.e., contrair a oferta, não reduz o preço de equilíbrio, logo o melhor é seguir políticas que expandam a oferta pois são essas que reduzem o preço de equilíbrio e promovem a habitação.

Um dos exercícios que damos aos estudantes de economia é dar-lhes vários cenários e perguntar qual o efeito no preço e na quantidade de equilíbrio e há muitas coisas que se podem fazer para alterar o preço de equilíbrio e o acesso ao recurso -- aliás, antes de fazer políticas devíamos pensar no objectivo das mesmas e não sei se viver em Lisboa ou no Porto pode ser defendido como um objectivo político porque pode não servir os interesses do país. Antes de aumentar a oferta não devíamos perguntar-nos se Lisboa e Porto precisam de mais pessoas e se o resto do país está a abarrotar de residentes?

Quando há um grande incêndio em zonas não-urbanas aponta-se como causa o êxodo rural. Se há alguma cidade que tenha beneficiado de tal êxodo é mesmo Lisboa, logo por que razão queremos nós incentivar mais pessoas a mudar-se para Lisboa ou até Porto? Não devíamos nós, e em especial o Governo, ter uma política equilibrada de desenvolvimento para todo os país em que as diferentes políticas funcionem de forma coesa e se reforcem umas às outras em vez de seguir políticas que arranjam num lado e estragam no outro?

Melhorar os transportes públicos também afecta a desejabilidade das diferentes zonas. No outro dia contaram-me um caso de uma rapariga desempregada que tinha recusado um emprego porque o horário dos transportes públicos não lhe permitia ir trabalhar, dado que ela vivia numa cidade próxima a 17 Km e não tinha carro -- era um turno em que saía do emprego à meia-noite. Se as autoridades trabalhassem com as empresas para adequar a infra-estrutura às necessidades da população e do aparelho produtivo, perimitiria que as pessoas vivessem mais longe do emprego.

E por falar em carro, será que uma política de impostos altos sobre os combustíveis promove maior mobilidade da população ou incentiva as pessoas a viver nas zonas que são melhor servidas por transportes públicos, dado que com os salários baixos que se praticam em Portugal, não há muito dinheiro para a gasolina. Também é caro estacionar em Lisboa, mas vai-se a outras zonas da Europa e as classes mais altas andam de transportes em públicos, enquanto que em Portugal o que é comum é qualquer director ter acesso a carro da companhia. Este Verão tive oportunidade de ir a Liverpool em trabalho e cheguei numa Ferça-feira e saí na Sexta. Os meus colegas diziam-me que er pena eu ter saído tão cedo porque ao fim-de-semana, os comboios vêm cheios de pessoas de fora que vão passar o fim-de-semana lá.

Há em Portugal a ideia de que salários altos são obscenos e salários baixos são preferíveis porque ser pobre é uma virtude. O problema claramente é haver uns estrangeiros que ainda não descobriram as virtudes da pobreza salarial e que vêm de fora inflacionar o preço das casas em Portugal. Ignore-se que o dinheiro que gastam em Portugal acaba por ir para algum português -- esperem lá, teria sido para o Robles!

Resta perguntar-nos se a "taxa Robles" não é um medida de disciplina do Bloco de Esquerda, que é incapaz de ter militantes que praticam o que defendem, em vez de uma medida bem pensada e estruturada por parte de pessoas que entendam minimamente o país onde vivem.

Não é só fazer dinheiro que é mal visto em Portugal; fazer perguntas pertinentes e pensar bem também são indesejáveis. É a nossa cruz...





Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.