sábado, 6 de outubro de 2018

A vida é complicada

A senhora S sabe vestir-se de forma a causar uma primeira boa impressão, vive sozinha, costuma ir a bares de solteiros, onde bebe sempre bastante – este último dado é muito importante, porque o álcool suspende a autoconsciência e introduz nebulosidade e ambiguidade. Alguém puxa conversa e ela acaba na casa dele ou ele na casa dela. Um dia, numa época em que a comunicação social estava (e está) cheia de histórias de agressões sexuais, diz ao seu psicoterapeuta: “Acho que fui violada”. A seguir, acrescenta: “cinco vezes”. Esta é uma história verídica, contada por Jordan Peterson, psicólogo clínico e autor do best-seller “12 regras para a vida”. A palavra-chave aqui é “acho”. Peterson não tem dúvidas de que qualquer psicoterapeuta, com alguns conhecimentos de Freud, poderia facilmente transformar o “acho” numa certeza absoluta. E a paciente acolheria rapidamente essa certeza. Tudo passaria a fazer mais sentido na cabeça da senhora S. Estaria encontrada uma causa clara e simples para todos os seus actuais problemas. A solidão, ninguém com quem conversar, uma carreira profissional inconsequente, a atracção e, ao mesmo tempo, o medo e a desconfiança dos homens – a senhora S foi ignorada pelo pai e acossada pelos irmãos. Em vez disso, Peterson preferiu ouvir e perguntar à senhora S a sua opinião. E ela falou, falou muito, e continuou a ter dúvidas sobre se tinha sido ou não violada, se tinha ou não consentido. Passados uns tempos, abandonou a terapia. A vida é complicada, diz Peterson.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.