quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Troca virtuosa

Em qualquer troca económica há sempre uma perda e um ganho. Se compro um relógio, por exemplo, "perco" o dinheiro e fico com o relógio; e quem me vende o relógio "perde" o relógio e recebe o dinheiro. Mas, no âmbito do conhecimento, um professor pode ensinar um teorema sem perdê-lo. No círculo virtuoso do ensinar, enriquece quem recebe (o estudante), enriquece quem dá (quantas vezes o professor aprende com os seus estudantes?). Trata-se de um pequeno milagre. Um milagre que o dramaturgo irlandês George Bernard Shaw sintetiza num exemplo: se dois indivíduos têm uma maçã cada um e fazem uma troca, ao voltar para casa cada um deles terá uma maçã. Mas, se esses indivíduos possuem cada um uma ideia e a trocam, ao voltarem para casa cada um deles terá duas ideias.

6 comentários:

  1. Uma troca económica não é um jogo de soma nula. Não existem perdas e ganhos em trocas económicas que sejam efectuadas de forma voluntária.

    Seu eu compro um relógio por X é porque acredito que esse relógio vale X e me vai satisfazer uma necessidade. Caso contrário esta troca não é efectuada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é falso a afirmação "Em qualquer troca económica há sempre uma perda e um ganho"

      Eliminar
    2. O que o P argumentou é que numa troca económica (voluntária) para cada um dos participantes o ganho é maior do que a perda. Não foi que não havia perda.
      No exemplo dado no texto quem compra um relógio, perde o dinheiro que pagou pelo relógio. Consegue desmentir isso?

      Eliminar
  2. E no entanto, assim que começamos a aplicar as regras da "propriedade intelectual" começamos a falar de "receitas perdidas" e etc.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos.