quarta-feira, 23 de maio de 2018

Então expliquem lá...

Isto de o PM Costa decidir andar a comprar e a vender casa, enquanto em funções, é um bocado complicado. Não se percebe muito bem se quando ele comprou precisava de casa; mas, se precisava de casa durante uns meses apenas, não faz sentido comprar e assumir o risco de mais tarde ter de suportar o custo da casa sem ter necessidade dela. Por outro lado, o PM também não trabalha em construção civil e vive da recuperação de casas, logo temos de concluir que a decisão de compra e venda da casa num espaço tão curto de tempo foi mais oportunista do que outra coisa.

Só que há um aspecto bicudo nisto tudo: sendo Primeiro-Ministro, António Costa tem acesso a informação privilegiada acerca da economia antes do resto do pessoal, logo há questões de ética que devem ser exploradas. Se não sabem como abordá-las, sugiro uma revisão de toda a comunicação social acerca dos conflitos de interesse de Donald Trump na Presidência dos EUA.

Temos também de nos perguntar como é que António Costa formou a decisão de compra e venda. Sempre que nós compramos ou vendemos alguma coisa estamos a fornecer informação ao mercado. Que tipo de informação forneceu António Costa? Será que ao decidir vender naquela altura, ele tinha a convicção de que não conseguiria um preço melhor do que o que obteve? Nesse caso, está convencido que a economia não vai crescer o suficiente para acreditar que os preços irão continuar a aumentar.

Uma das explicações para uma compra e venda tão rápida é ele ter chegado à conclusão que afinal não precisava do apartamento. Isto é um bocado problemático porque em termos de finanças pessoais uma compra deste tipo é uma coisa bastante séria, que deve ser bem estudada e ponderada. Se o PM se engana assim com o dinheiro dele, imaginem o que não fará com o dinheiro dos outros. Pois, mas não perdeu dinheiro, dizem os defensores do PM Costa. E eu digo-vos: decidam-se, meus caros, porque ou ele se enganou e comprou quando não devia, logo foi precipitado, ou foi muito esperto e, nesse caso, comprou e vendeu de propósito para fazer dinheiro.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.