sábado, 18 de novembro de 2017

O Cardeal progressista

“(…) [D]esaconselhar vivamente, para não dizer proibir, que um jovem que manifeste essa orientação homossexual ingresse no seminário, porque isso será, para ele e para o que vier a seguir, seria sempre muito melindroso”. Estas são as exactas palavras proferidas pelo Sr. Cardeal-Patriarca de Lisboa e Presidente da Conferência Episcopal, no encerramento da Assembleia dos Bispos Portugueses e que têm causado alguma polémica. Questionado sobre a afirmação transcrita, no sentido de, implicando a vida sacerdotal a castidade obrigatória, qual o interesse em indagar da orientação sexual do candidato a seminarista, aquele prelado respondeu: “Se a pessoa tem uma orientação forte nesse sentido, enfim, é melhor não criar a ocasião…”.
Uma declaração de interesses: considero-me uma pessoa cristã, mas há já alguns anos, por discordar de várias posições defendidas pela Igreja (entre outras, voto de castidade obrigatório, proibição do acesso das mulheres ao sacerdócio, uso de métodos anticoncepcionais não naturais), não posso dizer-me católico. Para mim, não existe a categoria de “católico não praticante”, nem defendo religiões “take away”. Isto dito, as declarações do “Prémio Pessoa” 2009 causam-me grande perplexidade.
Compreendo que, em função de várias passagens da Bíblia, sobretudo do Antigo Testamento, a Igreja Católica não possa reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Mas um discurso discriminatório não cabe na infinita misericórdia divina com que Cristo sempre se apresentou. Aliás, foi sempre nas margens da sociedade, de entre os mais ostracizados, que Deus feito Homem gostou de estar. Daí que, julgo, estas declarações colidem com a linha de orientação do Papa Francisco. “Quem sou eu para condenar um homossexual?”, respondia o Romano Pontífice a uma pergunta de um jornalista nas habituais conversas no avião papal.
O Catecismo da Igreja Católica, repositório da sua “doutrina oficial”, defende a integração dos homossexuais nas comunidades crentes, pugnando por uma compaixão quanto àqueles que considera sofrerem com essa orientação, concedendo que possam intervir como leigos, desde que renunciem à prática de relações sexuais. Em comparação necessariamente caricatural: é como dizer a um portista que pode vir a uma reunião de benfiquistas, desde que passe despercebido. Na verdade, convenhamos, uma posição que alguns entendem de equilíbrio, mas que tenho por hipócrita.
Como pouco séria foi a resposta de D. Manuel Clemente à pertinentíssima pergunta da jornalista: se para se ser padre se assume voto de castidade, qual o relevo da orientação sexual? “É melhor não criar a ocasião…”. Mas que ocasião? Se o Sr. Cardeal se referia à possibilidade de a carne ceder à tentação, eu e tantos outros conhecemos casos de sacerdotes que mantêm relações amorosas com mulheres, perante uma quase indiferença das comunidades em que se inserem. E então a castidade, afinal, existe ou não? Sabemos que D. Manuel Clemente defende a manutenção do status quo, mas também não se ignora que os discípulos de Cristo foram casados e que esta regra resulta da Tradição e não propriamente de imposições evangélicas. Aliás, quantos Papas não tiveram filhos?
Outro aspecto: os candidatos ao sacerdócio devem ser sujeitos a um escrutínio para detectar traços de homossexualidade, pedofilia ou doença mental. As duas últimas merecem o aplauso de todos. O mesmo se não dirá quanto ao seu alinhamento – o modo como surgem enunciadas coloca tudo no mesmo saco, como se todos os homossexuais fossem pedófilos e/ou doentes mentais. O DSM, uma espécie de manual de diagnóstico das doenças psiquiátricas da Associação Americana de Psiquiatria, retirou a homossexualidade do seu “Index Librorum Prohibitorum” em 1973, mas a OMS só deixou de a considerar parte da “lista internacional de doenças” em 1990. E este é um dado relevante: o que disse e a forma como o fez, levam quem escutou D. Manuel a associar a orientação sexual em causa com o abuso sexual de crianças ou delitos próximos (uma vez que a “pedofilia”, como tal, não é nenhum tipo legal de crime). Ora, essa é uma extrapolação inaceitável. Também existem sacerdotes que mantêm relações sexuais com raparigas menores. Por certo que manter a posição de que às mulheres está vedado o sacerdócio, para usar a mesma expressão do Sr. Cardeal, também pode, em tese, “criar a ocasião”, num ambiente marcadamente masculino, para mais não se ignorando que a sexualidade humana é feita de muitos cinzas, havendo estudos científicos que demonstram uma certa propensão para a bissexualidade da espécie humana, que depois se desenvolve em diferentes direcções em função, de entre outros, de caracteres sociais, culturais ou de pertença a certos grupos de referência.
Gostaria de saber o que responderia D. Manuel Clemente a um jovem que se sente profundamente chamado por Cristo a servir a Igreja, mas que também é homossexual e está disposto a cumprir o celibato. Um chamamento tão belo e que poderia conduzir a um sacerdote esforçado em ser um exemplo terreno de Cristo. “Filho, aqui entre nós, nos testes que faremos, finge que gostas de mulheres!”. "Don’t ask, don’t tell".

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.