sexta-feira, 2 de abril de 2021

Version 3.332

Depois de mais de 24 horas com a primeira vacina da Pfizer no sistema, sinto-me bem, mas o meu braço ainda dói. Tomei um banho bastante quente e ajudou um bocado a dor passar. Estou curiosa acerca da segunda vacina, dado que algumas pessoas têm reacções bastante severas. 

Amanhã vou jantar fora e a reserva foi feita para o pátio do restaurante, pois é onde me sinto mais confortável. Hoje recebi um convite para ir a uma festa de anos no dia 11, também num restaurante. A pouco e pouco, a vida volta a ter as actividades de antes. Não muitas, mas mais do que nenhumas.

Sinto estranheza que nós aqui comecemos a normalizar e a Europa ainda continue a ter surtos. Penso que, inevitavelmente, irá haver instabilidade social. As pessoas irão revoltar-se de não conseguirem avançar com a sua vida e o sofrimento humano também pesa na consciência colectiva. 

Estive a fazer os meus cálculos mentais de risco e só deve dar para viajar para a Europa daqui a uns dois anos. Não sei se o meu pai sobrevive tanto tempo, mas sempre que o vejo presumo que pode ser a última vez. Estar longe ajuda-nos a ter mais consciência de que nada, nem ninguém, dura para sempre. 

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.