quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Tormentas...

Esta força que tenho
É uma coisa hedionda,
Que nasce, que brota,
Não há quem a esconda,
Quem a afogue e mate,
Quem a condene à sombra.
Para algures, longe de mim,
Leve-a uma pomba...

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.