segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Dias 19 e 20

Ambos não foram muito diferentes: andei a arrumar louça na casa nova, cozinhei a minha primeira refeição (salmão com cevada, pesto de alcachofras e pickles de pepino. Era o que havia...), e passeei o Julian. Dá mesmo muito jeito passear naquela vizinhança porque tem caixotes de lixo públicos e até oferecem sacos para apanhar a caca do cão, mas eu levo sempre. A inconveniência da casa nova é que ainda não transferi a Internet para lá e não tenho Wi-Fi. E ainda não mudei a mobília, mas levei a cama de ar que comprei quando me mudei de Houston para Memphis.

[Por falar em cama, encontrei no outro dia um cobertor de algodão penteado feito em Portugal e é um luxo dormir com ele. Durmo só com lençois de algodão, o cobertor, e uma colcha também de algodão e acordo como se estivesse nas núvens. Bem, tecnicamente estou num colchão de ar...]

A vizinhança em si é muito engraçada e é o produto de iniciativa privada. As casas têm um estilo tradicional, apesar de serem todas diferentes (é proibido fazer obras sem submeter um plano para aprovação da gestão da vizinhança). Há bastantes zonas verdes apesar de os lotes serem pequenos e ocuparem quase o terreno todo: este tipo de construção é chamado de "zero-lot-line houses". Disse-me um colega meu de trabalho que vão fazer algumas casas assim ao pé de onde ele vive, em Midtown.

O estilo das casas recorda-me do Garden District em Nova Orleães, que também inspira Seaside, na Florida. O plano inicial da vizinhança, que foi fundada em 1994, era de 116 casas, com uma praça com um sino, outra com um gazebo, e três parques. Um dos parques tem uma zona cheia de árvores e o chão coberto por musgo--ver primeira foto. É absolutamente deslumbrante e estou bastante curiosa para ver a metamorfose das árvores e restante vegetação ao longo do ano. Do ponto de vista social, a vizinhança organiza festas e alguns dos residentes têm jantares mensais com noite de jogos.

No outro dia recebi uma carta de boas-vindas, com instruções acerca da companhia que gere a vizinhança, quem devo contactar se precisar de alguma coisa, e instruções para o pagamento das quotas trimestrais -- pagamos $595 por ano. Ou seja, isto é como viver num prédio com gestão de condomínio, só que é uma vizinhança.


Um dos parques

A praça com o sino--é uma rotunda, vá lá...

Uma das minhas casas preferidas na vizinhança

Esta casa foi construída mais recentemente. O estilo é mais moderno,
evocativo do "Farmhouse" que é agora muito popular.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.