quarta-feira, 9 de novembro de 2016

A dinâmica da corrida

À medida que a contagem prossegue, os analistas mudam a análise. Ninguém quer fazer figura de parvo e dizer que acha que o candidato que está a perder vai ganhar. Se Clinton está à frente, os analistas justificam a sua vitória; se Trump está à frente, muda-se o disco e diz-se que ele consegue um resultado melhor do que o esperado. Esta eleição, definitivamente, não é para cardíacos.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.