sábado, 26 de março de 2016

Uma pouca vergonha

Ontem, o meu filho-cão mais novo, o Chopper, chamou-me à atenção de que o meu jardim está completamente fora de controle. Estas últimas semanas, com a chegada da Primavera, tem sido uma autêntica pouca vergonha por estas bandas. A culpa é dos pássaros, que começaram a acasalar. Andam eles atrás delas e com cada piu-piu e assobio só saem obscenidades tipo "Anda cá, ó passarinha!", "Fodia-te as penas todas, ó passarinha!" Os passarinhos mais recatados, que dizem "Queres fazer amor comigo, minha linda?" não têm hipótese, pois elas escolhem os mais agressivos. Eles montam nelas, puxam-lhes as penas da cabeça com o bico, numa clara demonstração de submissão da pássara, e eu, uma mulher moderna, sinto-me profundamente agredida com estas coisas.

Depois de acasalarem, elas põem ovos, mas os ninhos são construídos só para um, logo quem é que acaba a fazer seca a manter os ovinhos quentes? Elas, claro, porque eles dão à sola em direcção a prados mais verdejantes para ir ter relações sexuais com outras pássaras. Um completo abuso das fêmeas, porque isto, sim, é uma discriminação sexual pura e simplesmente! Numa das árvores do meu jardim, lá está uma pomba, dia e noite, a velar pelo bem-estar dos ovos. E por falar em ovos, foi isso mesmo que o Chopper encontrou -- caiu um ovo do ninho. Depois, quando saí para ir tomar café, encontrei outro ovo partido à frente da minha casa, na driveway. Se calhar isto é sinal de abortos, infanticídios, negligência parental, sei lá.

Daqui a umas semanas, vou encontrar pássaros bebés mortos ou moribundos durante as minhas caminhadas com os meus filhos-cães. No primeiro ano que vim para aqui, fiz uma coisa ilegal e recolhi um passarinho que estava a morrer (é ilegal ter vida selvagem). Estava cheio de formigas e outros bicharocos. O coitado já estava frio, a ser comido vivo, nem esperaram que ele morresse. Os pais tinham dado à sola; por mim, deviam ser ambos esterilizados, pois demonstraram ser completamente irresponsáveis. Até eu mandei o meu filho-cão Alfred à Canine College para ser educado e nós nem somos da mesma espécie. O Chopper já foi educado em casa porque já me senti mais capaz.

Levei o passarinho para casa, limpei-o da bicharada, aqueci-o, e meti-o dentro de um espanador de penas de avestruz. Ao outro dia ainda estava vivo e quentinho antes de eu sair para o trabalho. Quando vim a casa almoçar encontrei-o morto, acho que o calor que senti de manhã era febre pois estava cheio de vermes. Coitadinho do meu Kafka! Ao menos teve uma morte digna e confortável e depois fiz-lhe um enterro de jeito no jardim. Que mais poderia eu fazer?

Só me apetece meter esta passarada toda numa gaiola, de 6 meses a cinco anos, para ver se aprendem a comportar-se como gente civilizada. Infelizmente, tive a brilhante ideia de deixar a minha gaiola na casa de Memphis e não estou para ir comprar outra.

Vocês riem-se, mas quem passa as passas do Algarve aqui no Texas sou eu...


Discriminação sexual de uma pomba

6 comentários:

  1. Os tempos são outros. Antes, os passarões, primeiro ofereciam flores, conquistavam o coração e só depois bicavam na pássara. Eram passarôcs romanticos. É claro que tanto antes como agora, sempre existiram passaralhos que picavam várias pássaras. Mas era diferente, havia respeito, consideração e amor. Agora tudo gira em torno do mediatismo e a passarinha passou a interesse periférico ou, simplesmente sem nenhum interesse.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A natureza não é politicamente correcta... ;-)

      Eliminar
  2. As passas do Algarve das pássaras do Texas, portanto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estão passados... Será de erva ou alguma droga sintética?
      Do Espírito Santo? Do Milenuim?
      Ou do Santander?
      De certo do Banco de Portugal!

      Eliminar
  3. Aposto que foi um passarão que viu a sua passarinha a ser trucidada por um jovem macho e deu-lhe uma sova de caixão para a cova. piu piu

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos.