quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Conhecido da noite (amigo das insónias)

Tenho conhecido a noite de bem perto.
Com chuva retorno, à chuva me fora.
A luz da cidade troquei pelo deserto.

A mais triste rua fitei nessa hora.
Passei pelo guarda nocturno desperto
E de olhos em baixo, andei sem demora.

O meu passo ficou mudo e parado,
Quando ouvi ao longe um grito, por Deus,
Vindo entre as casas, da rua do lado,

Não para me chamar ou dizer adeus;
E mais, dizia de lugar incerto
A luz das horas que apontava os céus:

O tempo não era errado nem certo.
Tenho conhecido a noite de bem perto.

(Minha versão de "Acquainted with the Night" de Robert Frost)

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.