terça-feira, 10 de março de 2015

Estado estacionário

Em 1856, em “On liberty”, John Stuart Mill temia que a Europa entrasse num “estado estacionário” semelhante ao que a China vivia há séculos. A origem do problema estava no esmagamento do “indivíduo”. Se na China isso se havia devido ao organizado sistema educacional e político, na Europa a origem estaria, sobretudo, na “desorganizada” opinião pública, que Mill via como o domínio de uma multidão de medíocres, que tudo uniformiza. De qualquer maneira, na China ou na Europa, o resultado seria semelhante: toda a gente estaria condenada a ler as mesmas coisas, a ouvir as mesmas coisas, a ver as mesmas coisas, a visitar os mesmos lugares, a ter as esperanças e os medos direccionados para os mesmos objectos, a dispor dos mesmos direitos e liberdades e dos mesmos meios para os exprimir. 

A excentricidade era uma manifestação da originalidade, da energia, da força, da coragem, do carácter, do vigor mental e do génio de um povo. Mill via, na sua época, o abandono da excentricidade como um (mau) sinal da mudança dos tempos.

Se a Europa havia prosperado, isso devia-se à extraordinária diversidade de caracteres e culturas das nações europeias, à pluralidade de caminhos escolhidos para o desenvolvimento: indivíduos, classes e nações haviam sempre manifestado abertamente as suas diferenças. Desgraçadamente, para Mill, esse pluralismo e diversidade davam sinais de estar paulatinamente a desaparecer. Mas Mill achava que nem tudo estava perdido e que ainda seria possível evitar o destino da China.

Se Mill voltasse a este mundo, veria com horror a burocracia central de Bruxelas e as políticas comuns da União Europeia. Mill não teria dúvidas: a Europa tinha finalmente chegado ao “estado estacionário”.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.