terça-feira, 24 de março de 2015

Pelo amor ao pêlo

Vou confessar-me! Adoro ler o que o Zé Carlos escreve. Às vezes quando ele deixa de escrever por uns dias entro em pânico. E uma vez até enviei um email ao Luís e ao Zé Carlos a pedir mais. O Luís pensou que eu estivesse zangada com o Zé Carlos. Não, estava só a precisar de uma dose do que ele escrevia. E eu até nem sou uma pessoa dada a vícios... Então este último post sobre pêlos foi realmente delicioso de ler porque eu já tinha pensado em falar no tópico.

Eu não gosto de todos os pêlos, mas há pêlos dos quais eu gosto. Não gosto de pêlos nas minhas pernas, mas não me importo com os dos braços. Também gosto de pêlos nos homens porque sabe bem quando os pêlos deles me fazem cócegas no nariz. Ultimamente, ando incomodada com a falta de pêlos. Quando eu abro o meu Tumblr, há contas que eu sigo que são um bocado mais picantes e vê-se muitas fotos de pessoas nuas. O gosto pela poesia, fotografia e literatura está muito correlacionado com o gosto por nudez. Tirando a cabeça, anda tudo muito pelado--estranho que pelado indique falta de pêlos.

Esta obsessão pelo bikini à brasileira--morte aos pelos púbicos--começou por duas vias. De acordo com um artigo da Bloomberg, umas brasileiras abriram um gabinete de estética em Nova Iorque, no qual ofereciam o serviço, e aquilo pegou moda. Até houve um episódio do Sex and the City em que a Carrie fez uma depilação de bikini à brasileira quando visita Los Angeles. Normalmente, quando eu vou a Los Angeles, dou um pulinho ao J. Paul Getty Museum, mas eu não sou americana de nascença, logo tenho fixações diferentes.

Quase que me esquecia, a Samantha também tirava os pêlos todos, mas era com lâmina. O potencial para pêlos encravados até me assusta neste método. Mas como muitas mulheres americanas não têm pêlos muito grossos pode ser que dê para elas. Aliás, agora recordei-me de um episódio que me aconteceu quando eu andava na universidade aqui. Uma das minhas amigas era stripper e, uma vez, eu estava no bar onde ela trabalhava, antes de abrir, e ela levou-me para o quarto de banho dos bastidores para conversarmos enquanto ela se depilava toda com uma lâmina e ela não tinha pêlos encravados. (Não julguem os outros--são mulheres normais, só que gostam de sapatos estranhos.) E, já que estou num post com confissões, confesso que ela me apanhou desprevenida e, no início, eu não sabia muito bem para onde olhar. Mas lá encontrei a resposta: olha-se para a cara da nossa amiga porque ela está a falar connosco.

Depois houve a prática adoptada pela indústria pornográfica que, eventualmente, obrigou os actores a depilarem-se por questões de higiene e também para se ver melhor. Parece que o primeiro filme pornográfico com uma mulher sem pêlos foi o Hustler de 1974, de acordo com o HuffPost. Eu não acho piada a ver uma mulher que parece uma criança--ah, pois é, se meter mamas de silicone como a Katie Morgan, que tem uma vozinha de menina, já se parece mais com a Barbie, é mais excitante. OK, OK, eu excito-me com cadeiras, logo gostos não se discutem...

Parece que o bikini à brasileira está a afectar a população de piolhos púbicos e há até quem fale em extinção da espécie. Acho que é um bocado prematuro, pois há muitos sítios no planeta onde estes animaizinhos podem sobreviver. Na Europa há quem esteja interessado em coleccionar espécimes dos ditos, como se discute neste artigo no The Guardian. Eu colecciono canetas de tinta permanente, mas ainda só tenho três--é uma coisa cara. Mas quem não gosta de ler Henry Miller falar sobre percevejos e piolhos púbicos? Ou quando ele descreve o "rosebush" da Germaine no Tropic of Cancer... Sem pêlos, a literatura estaria muito mais pobre!

Felizmente, as mulheres estão a reconsiderar o bikini à brasileira e há um movimento para que as coisas se tornem mais naturais lá a sul do umbigo. Obrigada a Gwyneth Paltrow e Cameron Diaz. Agora, como disse o Zé Carlos, precisamos mesmo de um movimento mais abrangente, até porque é urgente salvar os pelinhos dos homens!

Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.