quarta-feira, 15 de junho de 2016

Orlando, no sunshine state

Orlando, de que se tem falado muito esta semana, é uma cidade no estado da Florida. A Florida é o sunshine state dos EUA. No verão, é normal chover todos os dias por volta das duas ou três da tarde. É uma chuva forte e curta; duas horas depois, nem isso, já está tudo seco, o céu reveste-se de um azul glorioso, e quase é impossível acreditar que tenha chovido. De vez em quando, a chuva demora mais um bocadinho e torna-se tão forte que é impossível conduzir na auto-estrada e os carros encostam-se à berma até que passe. Nessas alturas, pensar que aquilo é chamado de "sunshine state" é uma forte fonte de frustração e motivo para dizer muitos palavrões.

Na Florida há muitos pântanos, onde vivem jacarés -- notem que os jacarés são diferentes dos crocodilos e não há crocodilos à solta na Florida. Também há cobras enormes -- e.g., boas, sucuris, e jiboias --, porque algumas almas que gostam de ter cobras como animais de estimação decidiram largá-las na natureza quando já não queriam cuidar delas. As cobras, que se deram muito bem naquele ambiente, são um dos maiores problemas ambientais da Florida pois ameaçam a vida selvagem nativa.

Um dos melhores sítios onde matar uma pessoa é mesmo num pântano: mata-se a pessoa, atira-se o corpo no pântano e a humidade, os insectos, e, na Florida, os jacarés e as cobras tratam do resto. Vocês pensam que eu estou a brincar, mas não estou. É o que dizem na TV, onde até há um programa dedicado exclusivamente a crimes que ocorrem em pântanos. Mas notem que, mesmo no pântano, a taxa de sucesso de encobrir o corpo não é 100%.

Orlando também é famosa porque é lá que fica a Walt Disney World e até se falou, a propósito do atentado no Pulse, que uma maneira de matar muitas pessoas em Orlando seria mesmo ir a um dos parques do complexo da Walt Disney World. A pessoa não entraria armada pela porta da frente, mas como há filas para entrar, tem ali uma boa concentração de pessoas a quem fazer mal. Se fosse alguém mais sofisticado, poderia tentar arranjar maneira de levar as armas lá para dentro. As possibilidades são vastas, só limitadas pela imaginação de uma pessoa mal-intencionada.

Poucos dias depois de se falar nestes cenários catastróficos, eis que um terceiro evento insólito ocorre em Orlando, num dos hotéis do complexo da Walt Disney World. Ontem à noite, no Disney's Grand Floridean Resort and Spa, um hotel cujo público é mais abastado, uma criança de dois anos foi arrastada por um jacaré para o lago. O menino ainda não foi encontrado, mas seria um autêntico milagre encontrá-lo vivo.

Leram bem, esta é a terceira tragédia que ocorreu em Orlando em menos de uma semana; a primeira foi na Sexta-feira, à noite, com a morte de Christina Grimmie, uma cantora em início de carreira, que tinha participado no programa "The Voice", e que foi baleada fatalmente enquanto dava autógrafos, após um concerto. Este incidente ocorreu perto do clube Pulse, o cenário da segunda tragédia. Havia cerca de 120 pessoas no sítio do tiroteio de Grimmie e foi o irmão da vítima que lutou com o atacante, um homem branco de 27 anos, que, no decorrer da luta, se suicidou. Se o irmão de Christina não tivesse estado presente, seria provável que tivesse havido mais vítimas.

Adenda: O corpo do menino de dois anos já foi encontrado, mas sem vida.


Sem comentários:

Publicar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.